Publicidade

Estado de Minas NOVO CORONAVÍRUS

Fiocruz: o maior colapso sanitário e hospitalar da história do Brasil

Fundação coloca todos os estados, com exceção do Rio de Janeiro e de Roraima, na zona crítica da ocupação dos leitos de UTI para a doença


16/03/2021 21:58 - atualizado 16/03/2021 22:51

A Fiocruz considera zona crítica nas UTIs a partir dos 80%(foto: Reprodução)
A Fiocruz considera zona crítica nas UTIs a partir dos 80% (foto: Reprodução)

 

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) publicou um novo boletim nesta terça (16/3) e seus pesquisadores informam que o Brasil vive o “maior colapso sanitário e hospitalar de sua história”.

 

A Fiocruz coloca todos os estados na zona crítica quanto à ocupação dos leitos de UTI para COVID-19, com exceção do Rio de Janeiro e de Roraima.

 

As situações mais graves são do Rio Grande do Sul (100%), Santa Catarina (99%), Rondônia (98%) e Goiás e Distrito Federal (ambos com 97%). Em Minas, a Fiocruz aponta taxa de uso de 85%.

 

A Fiocruz considera zona crítica nas UTIs a partir dos 80%, em vez dos 70% apontados pela Prefeitura de Belo Horizonte e pelo Governo de Minas.

 

Os pesquisadores defendem a adoção rigorosa de ações de prevenção e controle, como o maior rigor nas medidas de restrição às atividades não essenciais.

 

Eles enfatizam também a necessidade de ampliação das medidas de distanciamento físico e social, o uso de máscaras em larga escala e a aceleração da vacinação.

 

A Fiocruz também alerta para a necessidade de toque de recolher das 20h às 6h, conforme o adotado por Minas Gerais na onda roxa.

 

Indica, ainda, o fechamento de praias e bares, suspensão de atividades presenciais de educação, proibição de eventos como um todo e a redução da superlotação do transporte público.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade