Publicidade

Estado de Minas PRAGAS E FUNGOS

Sementes 'misteriosas' recebidas da China contêm fungos e pragas que não existem no Brasil

O Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Goiás (LFDA-GO), referência em sanidade vegetal, analisou 36 amostras e concluiu que apresentam risco fitossanitário ao país


27/11/2020 11:24 - atualizado 27/11/2020 11:50

Brasileiros estão recebendo sementes da China que apresentam risco para o Brasil(foto: Ascom/Emdagro)
Brasileiros estão recebendo sementes da China que apresentam risco para o Brasil (foto: Ascom/Emdagro)
Moradores de diversos estados brasileiros relataram que estão recebendo sementes por via postal, sem ao menos terem feito qualquer tipo de pedido. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), está realizando uma análise destes pacotes que chegaram e já identificaram duas espécies de pragas e quatro de fungos que não existem na agricultura e vegetação brasileira.

A análise está sendo feita pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Goiás (LFDA-GO), referência em sanidade vegetal. O órgão realizou um estudo de 36 amostras das 525 recebidas em 23 estados, incluindo o Distrito Federal. Foi concluído que quase metade (17) apresentaram risco fitossanitário ao Brasil. 

Segundo o Ministério da Agricultura, foi identificado em uma amostra a espécie “Myosoton aquaticum, uma praga que não tem no Brasil e apresenta potencial para ser considerada quarentenária, ou seja, com risco de estabelecimento no país e de causar danos fitossanitários. “Essa espécie apresenta resistência a herbicidas, o que torna seu controle difícil. A introdução dessa planta daninha no país pode ter impacto econômico negativo”, disse o órgão em nota. Essa espécie é considerada daninha nos campos de trigo da China.

Também identificaram uma espécie quarentenária ausente - Descurainia sophia - considerada como planta daninha nos Estados Unidos e Canadá, além de planta invasora no México, Japão, Coréia, Chile e Austrália. Outras 15 amostras continham sementes de Cuscuta, Brassica, Chenopodium e Amaranthus, consideradas quarentenárias ou com potencial quarentenário. E ainda, os fungos Cladosporium, Alternaria, Fusarium e Bipolaris.

Essas sementes foram classificadas como um “brinde perigoso” pela Companhia de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc). E, segundo o diretor do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas, Carlos Goulart, são um risco para o país. “Após análises laboratoriais, pode-se avaliar que a introdução de material propagação (sementes ou mudas), mesmo em pequenas quantidades, sem atender aos requisitos fitossanitários e de qualidade estabelecidos pelo Mapa, coloca em risco a agricultura brasileira”, ressalta.

A recomendação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), é que os cidadãos brasileiros que receberem sementes provenientes do exterior, entregue na unidade do Mapa para análise. Além disso, o pacote não deve ser aberto ou descartado no lixo, a fim de evitar o contato das sementes com solo e prejuízos para as áreas agrícolas e o meio ambiente.  E quem plantou as sementes, deve acionar o Mapa ou o órgão estadual de defesa para agendar o recolhimento do material.

China

A Embaixada da China no Brasil anunciou ter verificado indícios de fraude nas etiquetas dos pacotes de sementes de plantas enviados do país asiático. Em nota, foi informado que sementes são artigos de envio proibido ou restrito para os países membros da União Postal Universal (UPU), que o Brasil não faz parte. E, por fim, disseram que estão dispostos a cooperar com a investigação das autoridades brasileiras.
 
*Estagiária sob supervisão do subeditor Frederico Teixeira


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade