Publicidade

Estado de Minas

Letreiro em Amsterdã é reinstalado em forma de protesto a queimadas na Amazônia

O ato foi feito pela ONG Greenpeace e chamou atenção de turistas e moradores da cidade


postado em 21/08/2019 13:57 / atualizado em 21/08/2019 18:09

(foto: foto: Marten van Dijl/Greenpeace)
(foto: foto: Marten van Dijl/Greenpeace)
O letreiro “I AMsterdam” localizado em frente ao Museu Nacional de História e Arte dos Países Baixos da capital holandesa foi substituído como ato de protesto da ONG Greenpeace. O ícone turístico foi modificado para “I AMazonia” e chamou atenção de turistas e moradores da cidade.


O Greenpeace afirma que o atual governo Bolsonaro é responsável pelo desmatamento da Amazônia. A ONG lançou a petição "Salve a Amazônia", que tem como objetivo barrar a liberação de áreas de conservação ambiental e o ataque às atividades realizadas pelo Ibama, que trazem consequências diretas para o ecossistema.

A placa, que tem 22 metros de altura, foi retirada da frente do museu Rijksmuseum em dezembro de 2019 após 14 anos. A alegação das autoridades municipais era de que o letreiro causava concentração de pessoas no local, que era um dos principais destinos dos turistas.


 “Apenas quando uma coisa se vai é que percebemos o quanto sentimos falta. A icônica placa atraiu a admiração e as lentes das câmeras de milhões de pessoas em todo o mundo. Ao trazê-la de volta como 'I AMazonia', o Greenpeace não apenas pede a proteção urgente da maior floresta tropical remanescente no mundo, mas também envia uma forte mensagem de solidariedade ao povo indígena e comunidades tradicionais que protegem a Amazônia contra o desmatamento", disse Sigrid Deters, ativista de florestas e biodiversidade do Greenpeace Holanda


O estado do Amazonas declarou na sexta-feira, situação de alerta ambiental. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) afirma que a Amazônia é o bioma mais afetado pelas queimadas, com 51,9% dos casos.

Segundo o Greenpeace a floresta tropical perdeu cerca de 18% do seu território. A Amazônia é um dos principais pilares da luta contra a mudança climática. Tendo 2 milhões de quilômetros quadrados é um grande repositório de dióxido de carbono.

 

*A estagiária está sob supervisão da editora-assistente Vera Schmitz


Publicidade