Publicidade

Estado de Minas

Justiça condena empresário bilionário por agressão à modelo Luiza Brunet

Brunet comemorou condenação nas redes sociais e pediu às mulheres que não se calem diante da violência doméstica. Defesa do empresário diz que vai recorrer


postado em 06/06/2017 10:12 / atualizado em 06/06/2017 10:41

Parisotto ao lado da modelo durante o tempo em que namoraram (foto: Luiza Brunet/Divulgação)
Parisotto ao lado da modelo durante o tempo em que namoraram (foto: Luiza Brunet/Divulgação)

O Tribunal de Justiça São Paulo (TJSP) condenou o empresário Lírio Parisotto a um ano de detenção pela agressão à modelo Luiza Brunet , no ano passado, pena substituída por prestação de  serviços comunitários. Sentença dada pela juíza Elaine Cristina Monteiro Cavalcanti determina que o réu deverá ficar dois anos sob vigilância, sendo obrigado a cumprir serviço comunitário durante doze meses.

A modelo denunciou o empresário depois de ser vítima de agressão, ano passado, em Nova York. Na ocasião, ela teve quatro costelas quebradas, além de uma lesão no olho esquerdo. De acordo co0m a modelo, eles tiveram uma discussão em um restaurante e ao voltarem ao apartamento do empresário, de acordo com a versão da atriz, ele desferiu um soco no rosto dela e vários chutes nas costelas.

A defesa de Lirio Parisotto deverá recorrer da sentença. Seu advogado Celso Vilardi, diz que, das três acusações feitas por Luiza Brunet, duas já foram afastadas pelo Poder Judiciário, e ” a última será objeto de recurso ao tribunal competente que, certamente, fará justiça e absolverá lírio Parisotto.”

Parisotto tem uma fortuna estimada em US$ 1,21 bilhão, segundo a revista Forbes , e é um dos homens mais ricos do Brasil.

A modelo comemorou a decisão em sua página no Facebook, na noite de ontem, logo após a sentença.

Leia na íntegra sua postagem.

“Difícil dizer o que sinto. Mas é um dia que me deixa realizada, com o coração pacificado e uma sensação de ter ido no caminho certo. Não foi fácil me expor e conviver com as marcas dessa violência. Mas há algo maior. Este dia dia não é só meu - que atravessei esse doloroso caminho pessoal até aqui e precisei romper tantos medos. É um momento muito maior pelo que significa para tantas mulheres na mesma condição. Não existe aqui a Luiza. Existem mulheres. Existe a minha imensa felicidade pelo funcionamento da justiça. Dessa incrível Lei Maria da Penha. Não se calem mulheres. Vamos mudar essa situação. Não acaba aqui. Vocês me inspiraram sempre com seu apoio e sua força. E o que tenho a dizer se resume a uma palavra: gratidão.”

(com agências)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade