UAI
Publicidade

Estado de Minas BBC

COVID longa: 'Ainda tenho que escolher entre andar ou falar'

Jasmine Hayer recebeu mensagens de centenas de pacientes após iniciar um blog para aumentar a conscientização sobre a covid longa


27/12/2021 19:55 - atualizado 27/12/2021 19:55

Mulher deitada
Jasmine Hayer recebeu mensagens de centenas de pacientes após iniciar um blog para aumentar a conscientização sobre a covid longa (foto: JASMINE HAYER)
A Covid-19 pode causar problemas de saúde persistentes. Cerca de um quarto das pessoas que tiveram o vírus apresentam sintomas que continuam por pelo menos um mês, segundo dados divulgados pela OMS - e uma em cada 10 ainda não se sente bem após 12 semanas.

 

Muitos pacientes relatam que tiveram apenas uma infecção inicial leve, mas que acabou prejudicando sua saúde, vida social e finanças.

 

Jasmine Hayer, de 32 anos, estava morando em Londres e se preparando para ser professora de ioga quando pegou o coronavírus em março de 2021.

Às vezes parece que era uma pessoa diferente, diz ela, falando devagar e com cuidado, da casa de seus pais em Biggleswade, na Inglaterra.

 

Ela voltou para lá no verão passado quando percebeu que não conseguia nem fazer a cama sem ficar sem fôlego.

 

"Esta doença é tão desconcertante e ninguém sabe realmente como tratá-la. Sinceramente, não sei se algum dia voltarei à saúde plena, mas nunca vou parar de tentar", diz ela.

 

Atualmente recebendo auxílio-doença, ela diz que está desesperada para trabalhar novamente.

 

"Minha vida inteira foi arrancada de mim - como aconteceu com tantos outros com covid longa. Tivemos uma grande crise de identidade", diz ela. "Preciso me reinventar. Não consigo nem levantar o braço esquerdo, muito menos ser professora de ioga, o que é de partir o coração."

 

Por nove meses, os médicos disseram que a ansiedade era a causa de seus sintomas, que incluíam aperto no peito, dores no coração, falta de ar, fadiga e palpitações.

 

Ela sabia que eles estavam errados e desenvolveu seu próprio rastreador de sintomas, o que ajudou a identificar impactos em seus pulmões.

 

Sua saúde só começou a melhorar quando ela iniciou o tratamento em uma clínica para 130 pacientes com grave covid longa, no Royal Brompton Hospital, em Londres.

 

Os médicos encontraram vários problemas de saúde. Um teste de transferência de gás mostrou que os níveis de oxigênio em seus pulmões eram 53%, o mesmo de um paciente com doença pulmonar, e ela foi diagnosticada com inflamação cardíaca pós-covid, que eles disseram que não tinham visto antes.

 

Eles também encontraram pequenos coágulos de sangue em seus pulmões, que só apareceram em uma varredura especializada chamada varredura de ventilação-perfusão.

 

Desde o início da medicação para afinar o sangue, os coágulos desapareceram, mas ela ainda apresenta fluxo anormal de sangue e oxigênio nos pulmões.

 

"Um antiinflamatório chamado colchicina mudou significativamente minha recuperação, mas infelizmente tive uma recaída novamente. Agora posso andar lentamente por cinco minutos uma vez por semana se tiver sorte, mas sinto dor no peito depois. Tenho que escolher entre usar minha voz e mover meu corpo. Não posso fazer as duas coisas em um dia."

 

"Os médicos não sabem por que tenho bons níveis gerais de oxigênio em meu corpo, mas ele não chega aos meus pulmões, o que pode ser um problema com meus vasos sanguíneos, mas minhas varreduras mostram que eles estão normais - eles nunca viram isso antes."

 

Desde que começou um blog sobre sua história, ela recebeu mensagens de centenas de pessoas com covid longa desesperadas por ajuda.

 

"Muitos pacientes estão sendo liberados porque seus médicos e especialistas não receberam orientação suficiente. Eles não sabem que os pacientes podem ter micro coágulos de sangue, mas apresentam resultados de exames de sangue normais, como eu", diz ela.

 

Jasmine está acompanhando de perto um estudo em andamento na Alemanha que encontrou coágulos sanguíneos microscópicos em pacientes com covid longa, privando seus tecidos de oxigênio. Uma técnica que limpa o sangue, removendo proteínas que causam doenças, ajudou alguns pacientes lá.

 

Ela também é conselheira de pacientes no maior estudo de covid longa até hoje no mundo, que visa melhorar o diagnóstico e o tratamento da doença.

 

O professor Amitava Banerjee, da University College London, está liderando o estudo STIMULATE-ICP de dois anos que recrutará 4.500 pacientes de seis clínicas de covid longa.

 

Medicamentos existentes serão testados para avaliar sua eficácia, incluindo anti-histamínicos, como a loratadina, usada para tratar alergias. Também serão testados anticoagulantes como a rivaroxabana e o antiinflamatório colchicina.

 

O cardiologista Banerjee está preocupado com o fato de que o número atual de infecções no Reino Unido resultará em mais pessoas sofrendo de covid longa.

 

Muitos pacientes desenvolveram após uma infecção leve, diz ele, então ele não está certo de que a variante ômicron pode produzir uma doença menos grave.

"Sabemos que pessoas que não foram hospitalizadas com covid ficaram mais debilitadas e devemos nos preocupar com isso", diz ele.

 

Muitos jovens com covid longa não conseguiram retornar ao trabalho, acrescenta, e isso teve um grande impacto em sua saúde, bem-estar e economia.

 

Ele acredita que a melhor maneira de prevenir é "evitar ser infectado em primeiro lugar e manter a taxa de infecção baixa", o que não será alcançado com uma abordagem apenas de vacina, diz ele.

 

"Eu adoraria ver mais consideração, debate e reconhecimento da covid longa por parte de nossos formuladores de políticas", diz ele. "Se você apenas mede as mortes, você perde o impacto na vida das pessoas. Devíamos fazer melhor do que isso."

 

O Departamento de Saúde e Assistência Social do Reino Unido foi procurado para responder aos comentários de Banerjee.As vacinas têm ajudado, sem dúvidas, a prevenir mortes e doenças graves, mas os cientistas ainda não sabem se elas protegem contra a covid longa, diz ele.

O que é covid longa?

  • Cobre uma ampla gama de sintomas, incluindo fadiga, tosse, dores de cabeça e musculares
  • A maioria das pessoas que contraem o coronavírus se sentem melhor em alguns dias ou semanas, mas os sintomas podem durar mais tempo para algumas pessoas, mesmo após uma infecção leve
  • Pode afetar qualquer pessoa, mas as mulheres e os profissionais de saúde parecem estar em maior risco

Fonte: Escritório de Estatísticas Nacionais/NHS/OMS

 

Para Emily Miller, a covid longa continua a ser uma experiência assustadora e solitária, sem a ajuda de especialistas médicos de apoio.

 

A jovem de 21 anos tinha acabado de voltar a estudar comercialização da música em Brighton (Inglaterra) em outubro passado, quando adoeceu com coronavírus.

 

Ela cresceu em Oxford - onde caminhava por toda parte e frequentava o teatro. Agora ela só sai de casa para consultas médicas e aulas.

 

"No final das minhas aulas, sinto-me bêbada e não me lembro do que foi dito", disse. "Não vejo meus amigos, nem tenho vida social. Minha vida mudou completamente, assim como minha trajetória profissional."

 

Após uma infecção inicial leve, ela começou a sentir enxaquecas, zumbido, dormência, falta de ar, tontura, sangramento nasal, dor no peito e náusea.

Um exame de sangue mostrou que ela tinha uma contagem baixa de glóbulos brancos e ela foi encaminhada para uma clínica de covid longa, que ajudou no controle da fadiga. Ela foi então encaminhada a um neurologista.

 

Enquanto isso, Emily disse que um clínico geral disse que os sintomas se resumiam a ansiedade e que ela deveria "ir para casa e se curar".

 

Emily ainda toma analgésicos e sofre de fadiga, espasmos musculares e problemas gastrointestinais. Seu médico sugeriu recentemente que era síndrome do intestino irritável relacionada à ansiedade.

 

"Eu adoraria fazer mais alguns testes e investigações para ver o que está causando isso, mas continuo batendo em uma parede de tijolos", diz ela.

 

Além da saúde, suas maiores preocupações são financeiras e ela se preocupa em pagar o aluguel todo mês.

 

"Eu solicitei um subsídio para alunos com deficiência, mas eles não reconhecem a covid longa como uma deficiência. Eu realmente espero que um dia isso seja considerado", diz ela.

 

Ela sente que suas perspectivas de emprego quando ela se formar no ano que vem são sombrias, e seu sonho de trabalhar para uma gravadora está suspenso.

Ela decidiu criar uma página de arrecadação de fundos para ajudar a se sustentar e tentar finalmente encontrar uma cura pagando por tratamentos experimentais como terapia de oxigênio.

 

"Odeio pedir a outras pessoas que me apoiem, mas senti que estava ficando sem opções", diz ela.

 

É uma situação semelhante para Antony Loveless, que recentemente teve que pedir a sua mãe um empréstimo de mil libras (R$ 7,6 mil) para pagar sua hipoteca.

 

O homem de 54 anos, que mora em Southend (Inglaterra), pegou covid em janeiro enquanto ele trabalhava em um porto.

 

Sua parceira Claire Hooper, de 52 anos, que trabalhava como enfermeira, também contraiu e também sofre de covid longa.

 

Eles passaram a maior parte deste ano na cama, com dores e fadiga paralisantes, ambos fora de seus empregos.

 

Antony agora anda com ajuda de uma bengala e dirige um carro com selo de deficiente. Ele foi diagnosticado com perda de glóbulos brancos e uma disfunção autonômica chamada síndrome de taquicardia ortostática postural, que afeta sua capacidade de regular a pressão arterial. Claire agora tem diabetes e hipertensão.

 

Ambos receberam alta de uma clínica de covid longa, após serem informados de que estavam muito doentes para iniciar a reabilitação.

 

Eles gastaram 10 mil libras (mais de R$ 70 mil) em economias apenas para pagar a hipoteca e as contas, antes de se qualificarem para os benefícios.

 

"Tínhamos um estilo de vida agradável de classe média", diz Antony. "Deixamos de ganhar cerca de £ 4.500 (cerca de R$ 33.750) por mês para viver com o mínimo."

 

O ex-fotógrafo de guerra e autor precisa definir lembretes em seu telefone para ir à cozinha comer, mas depois não consegue se lembrar por que está lá.

 

"Eu não fumava há 37 anos e esqueci que não fumava mais. Comprei um maço de cigarros outro dia", diz ele.

 

Ele se sente frustrado porque as estatísticas são coletadas sobre pessoas com covid que sobrevivem e morrem, mas "não as pessoas do meio".

"O governo nunca fala sobre covid longa - ou você morre ou se recupera. Mas e nós?"

 

Ele diz que as coisas ficaram tão ruins há alguns meses que ele e Claire consideraram terminar com suas vidas.

 

"Chegamos a um ponto em que não podíamos continuar com a dor e sem qualidade de vida. Ficamos sem dinheiro e sem opções e estávamos deitados na cama, sem conseguir nem acompanhar uma trama na TV."

 

Antony diz que eles sentem que foram deixados ao léu.

 

"Vamos apenas continuar vivendo e esperando melhorar, é tudo o que podemos fazer", diz ele.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade