Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Covid aumenta risco de morte em 60% seis meses após infecção por vírus, diz estudo

Cientistas também constataram que sobreviventes não hospitalizados também tinham 20% mais chances de necessitar de cuidados médicos ambulatoriais durante esse período.


23/04/2021 19:21 - atualizado 23/04/2021 19:36

Cientistas constataram que sobreviventes não hospitalizados tinham 20% mais chances de necessitar de cuidados médicos ambulatoriais entre um e seis meses após infecção(foto: Getty Images)
Cientistas constataram que sobreviventes não hospitalizados tinham 20% mais chances de necessitar de cuidados médicos ambulatoriais entre um e seis meses após infecção (foto: Getty Images)

Um novo estudo, realizado a partir de registros médicos de 73 mil pessoas nos Estados Unidos que contraíram coronavírus mas não necessitaram de hospitalização, mostrou que esses pacientes tinham um risco de morte mais elevado - 60% maior - comparado com aqueles que não tiveram a doença, entre um a seis meses após a infecção.

 

 

Os cientistas também constataram que os sobreviventes não hospitalizados de covid também tinham 20% mais chances de necessitar de cuidados médicos ambulatoriais durante esse período, em comparação às pessoas que não contraíram o novo coronavírus.

 

Segundo a pesquisa, baseada em registros médicos de pacientes do sistema de saúde do Departamento de Assuntos de Veteranos dos Estados Unidos, quem teve a doença experimentou uma vasta gama de problemas médicos de longo prazo que nunca havia apresentado antes.

 

E esses sintomas não se restringiam somente aos problemas pulmonares devido ao impacto do vírus no sistema respiratório, mas que podiam afetar qualquer parte do organismo, de neurológicos a cardiovasculares, passando por gastrointestinais, além de mal-estar, fadiga, dores musculoesqueléticas e anemia.

 

Os sobreviventes corriam ainda maior risco de desenvolver problemas de saúde mental, incluindo ansiedade e distúrbios do sono.

 

Em decorrência da covid, os pesquisadores também verificaram um aumento do uso de vários medicamentos por esses pacientes, "incluindo analgésicos (opioides e não opioides), antidepressivos, ansiolíticos, anti-hipertensivos e hipoglicemiantes orais e evidências de anormalidades laboratoriais em vários sistemas orgânicos", escreveram eles no estudo, publicado na revista científica Nature.

 

Acredita-se que este seja o maior levantamento até agora para avaliar uma gama tão abrangente de condições de saúde. Os sobreviventes da covid não hospitalizados no estudo testaram positivo para o vírus de 1 de março de 2020 até novembro.

 

"As manifestações clínicas agudas de COVID-19 são bem caracterizadas, no entanto, suas sequelas pós-agudas não foram descritas de forma abrangente", disseram os cientistas.

 

Segundo os pesquisadores, liderados por Ziyad Al-Aly, chefe do serviço de pesquisa e desenvolvimento do Sistema de Saúde para Veteranos em St. Louis, no Estado americano do Missouri, "os resultados fornecem um roteiro para informar o planejamento do sistema de saúde e o desenvolvimento de estratégias de cuidados multidisciplinares para reduzir a perda crônica de saúde entre os sobreviventes da covid-19".

Metodologia

Especialistas ouvidos pelo jornal americano New York Times ressalvaram, contudo, que os pacientes do sistema de saúde do Departamento de Assuntos de Veteranos usados pelo estudo.

 

podem não ser representativos do total de sobreviventes da covid-19.

Isso porque 88% deles eram do sexo masculino e sua idade média era de 61 anos. Além disso, quase 25 por cento eram negros, 70% eram brancos e quase 5% eram de outras raças.

 

Os pesquisadores compararam o risco de morte e outras características desse grupo com dados de quase 5 milhões de pacientes no mesmo sistema que não contraíram o novo coronavírus e não foram hospitalizados de 1º de março de 2020 a novembro. Esse grupo tinha uma idade média de 67 anos, era 90% do sexo masculino e tinha uma proporção um pouco maior de pacientes brancos e uma proporção um pouco menor de pacientes negros.

 

Apesar disso, especialistas alertaram ao jornal que as descobertas do estudo "refletem uma série de problemas causados não apenas pelo vírus em si, mas pela luta do sistema médico para lidar com a covid-19 e seus efeitos de longo prazo".


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade