Publicidade

Estado de Minas IMPÉRIO ROMANO

Agripina: quem foi a mulher mais poderosa do Império Romano

Antes de ser assassinada a mando do próprio filho, ela teve um papel central no reinado de três imperadores


10/04/2021 16:41 - atualizado 10/04/2021 21:09

'O Naufrágio de Agripina', de Gustave Wertheimer, ilustra uma das tentativas de Nero de se livrar da mãe para sempre(foto: Getty Images)
'O Naufrágio de Agripina', de Gustave Wertheimer, ilustra uma das tentativas de Nero de se livrar da mãe para sempre (foto: Getty Images)

Muitos se lembram dos nomes dos imperadores da dinastia júlio-claudiana — como Augusto, Calígula e Nero —, mas poucos conhecem as mulheres que foram vitais para o sucesso (ou fracasso) de seus reinados.

A mais poderosa delas foi Agripina, a Jovem.

A seguir, apresentamos nove fatos sobre a vida desta poderosa imperatriz romana que viveu entre 15 e 59 d.C.

1. Foi uma potência nos reinados de três imperadores

Agripina, a Jovem, foi uma mulher muito importante nos reinados de três dos primeiros imperadores romanos.

Ela era irmã do imperador Calígula, esposa de Cláudio e mãe de Nero.

Cada um a honrou como a mulher mais importante em seu reinado, e ela foi capaz de se aproveitar disso para obter um poder sem precedentes.

2. Era 'descendente de um deus'

O bisavô de Agripina foi o primeiro imperador, Augusto.

Quando Augusto morreu, ele foi divinizado pelos romanos — e um templo foi construído em sua homenagem.

Os romanos faziam sacrifícios a ele, como um deus, regularmente.

Por volta de 50 d.C., Agripina era a única descendente restante e acreditava-se que corria sangue divino em suas veias.

3. Foi a primeira mulher a aparecer em uma moeda

As moedas eram uma importante ferramenta de propaganda no Império Romano.

Agripina foi a primeira mulher viva a ser retratada em uma moeda quando apareceu, ao lado de suas duas irmãs, vestida como a deusa da liberdade e da segurança no início do reinado de Calígula.

Durante seu reinado como esposa de Cláudio, foi a primeira mulher romana a aparecer na frente de uma moeda ao lado do próprio imperador, e não no verso.

4. Tentou derrubar o irmão

Embora Calígula tenha concedido enormes honras a ela e a suas irmãs, ele foi um imperador "terrível" e acabou sendo o primeiro a ser morto por seus próprios guardas.

Antes de morrer, muitas pessoas tentaram derrubá-lo, incluindo Agripina e seu namorado.

Eles foram capturados enquanto ainda estavam conspirando, e Agripina foi exilada em uma pequena ilha como punição.

Não foi tão ruim para ela, se você considerar que seu namorado foi executado.

5. Se casou com o tio

Após o assassinato de Calígula, Agripina voltou a Roma, onde seu tio havia se tornado imperador.

Cláudio era irmão mais velho do pai dela, então foi uma surpresa quando Agripina se casou com ele.

Eles tiveram que convencer o Senado a mudar as leis sobre incesto para poder se casar.

Os historiadores e as más línguas da época acreditavam que Agripina seduziu o tio porque ela rapidamente se tornou a imperatriz mais poderosa que os romanos já haviam visto.

Agripina também foi a imperatriz mais ostensiva que os romanos já haviam tido.

Ela se sentava ao lado de Cláudio em um trono idêntico ao dele e agia como uma política, algo muito impactante para os romanos, que não permitiam que as mulheres participassem da política.

Em um evento público, usou uma capa militar dourada para mostrar seu poder e o quão pouco tradicional ela era.

6. Fundou sua própria cidade

Um dos atos mais significativos de Agripina como Imperatriz de Roma foi fundar uma cidade no local de seu nascimento.

A cidade se chamava originalmente Colonia Claudia Ara Agrippinensium, mas ficou conhecida como La Colonia.

Atualmente, é a quarta cidade mais populosa da Alemanha e mantém suas raízes romanas no nome: Colônia.

7. (Provavelmente) assassinou o marido

Após quatro anos de casados, Agripina e Cláudio estavam frustrados um com o outro.

De acordo com fontes históricas, Cláudio lamentava sua decisão de deserdar o filho Britânico em favor de Nero, enquanto Agripina estava preocupada em perder sua posição de poder caso Nero não se tornasse o próximo imperador.

As mesmas fontes afirmam que Agripina contratou um envenenador profissional que usava um cogumelo de aparência particularmente deliciosa.

Excepcionalmente, não há registros de que Cláudio tenha morrido de causas naturais, por isso acredita-se que ela provavelmente o matou.

8. Foi muito homenageada

Como mãe do imperador Nero, Agripina recebeu ainda mais honrarias.

Tradicionalmente, os romanos se consideravam parte da família do pai e raramente mencionavam suas mães, mas Nero colocou inscrições declarando que ele era "filho de Agripina".

Ela foi a primeira e única mulher a ser homenageada por um imperador dessa maneira.

9. Foi assassinada a mando do próprio filho

Apesar de declarar com orgulho que era seu filho e que foi ela quem o nomeou imperador, Nero não era um filho muito grato.

Ele tentou obrigá-la a ser uma mãe romana mais tradicional. Queria que ela ficasse em casa e usasse vestidos bonitos, mas ela queria governar.

Depois de sua pior briga, Nero decidiu que a única maneira de fazer o que queria era matando sua mãe.

Ele primeiro tentou envenená-la, mas ela tomava antídotos diariamente. Então, de acordo com Suetônio, o biógrafo de Nero, ele fez com que o teto do quarto desabasse sobre ela enquanto dormia, mas ela foi avisada antes.

Na sequência, ele tentou matá-la com um barco projetado de tal forma que se desmantelaria quando ela fosse velejar durante a celebração da festa de Minerva. Infelizmente para Nero, ela era uma excelente nadadora e sobreviveu.

Finalmente, ele decidiu usar um método mais direto e sangrento: enviou um soldado que a esfaqueou até a morte em seu quarto. E, após sua morte, afirmou que foi ela quem havia tentado matá-lo.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade