UAI
Publicidade

Estado de Minas ITÁLIA

Retomada busca por sobreviventes após rompimento de geleira que matou seis

Onda de calor na Itália levou temperatura no topo da geleira a 10ºC, o que acelerou derretimento


04/07/2022 08:36 - atualizado 04/07/2022 08:47

Helicóptero sobrevoa geleira na Itália
(foto: Pierre TEYSSOT / AFP)


As operações de busca por possíveis sobreviventes foram retomadas nesta segunda-feira (4) após o rompimento provocado por uma onda de calor de parte da geleira Marmolada, a maior dos Alpes italianos, que deixou pelo menos seis mortos e oito feridos.

A tragédia ocorreu um dia após o registro da temperatura recorde de 10°C no topo da geleira, enfraquecida pelo aquecimento global, bem como pela onda de calor que atingiu toda a península italiana, que acelerou seu derretimento.

As equipes de resgate enviaram drones equipados com câmeras térmicas durante a noite, na esperança de localizar sobreviventes arrastados pela avalanche de gelo e rochas, explicou à AFP o prefeito da cidade de Canazei, Giovanni Bernard.

"É uma situação muito perigosa também para os socorristas", que não podem avançar a pé, disse.

Helicópteros sobrevoam a área, de acordo com um fotógrafo da AFP no local.

Mas as chances de encontrar sobreviventes "são quase nulas", alertou o chefe do serviço de resgate alpino, Giorgio Gajer, à agência AGI.

A porta-voz dos serviços de emergência, Michela Canova, garantiu à AFP que o número de vítimas é agora de seis mortos e oito feridos.

Segundo a agência de notícias Ansa, pelo menos três italianos e um tcheco estão entre os mortos.

Entre os feridos estão dois alemães, um homem de 67 anos e uma mulher de 58 anos, que se encontra em risco de morte, disse a agência médica de Veneto.

O chefe da Defesa Civil da província de Veneto, Gianpaolo Bottacin, também mencionou "desaparecidos" sem especificar o número. A imprensa fala de cerca de 15 pelos carros no estacionamento que até agora ninguém recuperou.

"Encontramos alguns corpos mutilados entre a pilha de gelo e detritos espalhados por mais de 1.000 metros", disse Gino Comelli, das equipes de resgate de alta montanha, segundo o jornal Corriere della Sera.

- Degelo acelerado -

As equipes de resgate alpino ativaram um número para ajudar as pessoas que não tiveram notícias de parentes.

O chefe de Governo italiano, Mario Draghi, deveria visitar o local da tragédia, mas seu helicóptero não conseguiu pousar em razão do tempo ruim.

O colapso de parte da geleira Marmolada "é consequência das condições climáticas atuais, ou seja, de um episódio de calor antecipado que coincide com o problema do aquecimento global", comentou à AFP o professor Massimo Frezzotti, do departamento de Ciências da Universidade Roma Três.

"O derretimento se acelerou nos Alpes. Tivemos um inverno extremamente árido, com déficit pluviométrico de 40 a 50%. As condições da geleira correspondem às de meados de agosto, não início de julho", disse o especialista.

"É um milagre estarmos vivos", contou Stefano Dal Moro, engenheiro que estava na geleira com um amigo israelense.

"Ouvimos um barulho e, naquele momento, um mar de gelo se soltou. Não adiantava correr, só rezar", disse ele ao jornal Corriere della Sera.

A geleira rompeu perto da cidade de Punta Rocca.

Imagens filmadas de um abrigo mostram neve misturada com pedras rolando pela encosta da montanha.

Outras imagens tiradas por turistas com seus celulares mostram a avalanche de longe, arrastando tudo em seu caminho.

A geleira Marmolada, apelidada de "rainha das Dolomitas", é a maior desta cordilheira no norte da Itália, que faz parte dos Alpes.

O tamanho da área desprendida é enorme: cerca de 200 metros de frente que desceu por um quilômetro e meio a cerca de 300 km por hora, segundo cálculos da imprensa.

De acordo com o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgado em 1º de março, o derretimento do gelo e da neve é uma das 10 principais ameaças causadas pelo aquecimento global, perturbando ecossistemas e ameaçando infraestruturas.

O IPCC alertou que as geleiras da Escandinávia, Europa Central e Cáucaso podem perder de 60 a 80% de sua massa até o final do século.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade