UAI
Publicidade

Estado de Minas TEGUCIGALPA

Congresso hondurenho tem dois presidentes e crise antes da posse de Castro


23/01/2022 15:44

O Congresso hondurenho nomeou dois presidentes neste domingo (23) em cerimônias separadas, aprofundando a crise política a quatro dias da posse da presidente eleita de esquerda, Xiomara Castro.

Dezoito deputados dissidentes do partido de Castro, o Liberdade e Refundação (Libre), com o apoio de formações de direita, elegeram Jorge Cálix como presidente do Congresso em um centro social.

Paralelamente, parlamentares do Libre leais a Castro nomearam para presidente da Câmara Baixa o deputado do Partido Salvador de Honduras (PSH), Luis Redondo, no prédio do Congresso.

Cálix, acusado de ser um "traidor" por Castro, ainda assim prometeu trabalhar para o programa da presidente eleita, que assume o governo na próxima quinta-feira.

"Nossa agenda legislativa tem como prioridade tornar realidade o plano de governo de Xiomara Castro", assegurou o deputado.

Cálix obteve o apoio de 79 parlamentares, incluindo 44 votos do Partido Nacional (PN, à direita), do governo cessante, para presidir o Parlamento.

Xiomara Castro chegou a um acordo com o PSH para votar em Luis Redondo, que pertence a esse partido, para liderar o Congresso com 96 votos, incluindo o de suplentes.

São necessários 65 votos para alcançar a liderança do Congresso, metade mais uma das 128 cadeiras.

Centenas de simpatizantes do Libre se reuniram desde sábado à noite em frente à sede do Congresso, convocados por Castro, em uma vigília que durou até a manhã deste domingo.

Cálix argumentou que sua posse ocorreu em um centro social porque o prédio legislativo estava cercado por centenas de apoiadores de Castro e ele temia por sua segurança.

No entanto, a escolha e posse de Redondo aconteceu na sede do poder legislativo.

A crise eclodiu na sexta-feira em uma sessão repleta de golpes e gritos, após Cálix tomar posse como presidente provisório do Congresso, em desobediência ao pacto entre o Libre e o PSH.

Os 18 deputados dissidentes foram expulsos do Libre.

"Reconheço a presidência do Congresso chefiada pelo deputado Luis Redondo, convido-o para meu juramento com o povo em 27 de janeiro", escreveu Castro no Twitter.

"Parabenizo os deputados que rejeitam 12 anos de redes de corrupção de JOH (atual presidente Juan Orlando Hernández)", acrescentou a presidente eleita.

Castro acusa os dissidentes de seu partido de se aliarem ao PN para impedi-la de realizar as transformações que prometeu ao povo durante a campanha presidencial.

- Perigos -

"Aproxima-se uma crise de grandes dimensões, corre-se o risco de Xiomara Castro nem sequer tomar posse", declarou à AFP Eugenio Sosa, analista e professor de Sociologia da Universidade Nacional. "Há também o perigo de um novo golpe de Estado", alertou.

No entanto, em seu primeiro discurso, Cálix foi contundente: "Enquanto eu mantiver a presidência do primeiro poder do Estado, não haverá golpe contra a presidente eleita".

Sobre a legalidade da nomeação de Cálix, Sosa considerou que o voto dos dissidentes fora do Congresso contou com mais deputados eleitos, o que lhe confere "legalidade".

Mas "Xiomara não vai ceder. Ela vai reconhecer Redondo, vai mandar publicar Diário Oficial os decretos aprovados por Redondo. É o Executivo quem manda publicar no Diário Oficial", explicou.

Castro venceu as eleições de 28 de novembro por maioria esmagadora, graças a uma aliança com o PSH, em troca de nomear seu candidato presidencial, Salvador Nasralla, para a vice-presidência.

O Congresso é composto por 50 deputados do Libre, 44 do PN (do atual presidente Juan Orlando Hernández), 22 do Partido Liberal (PL, à direita), 10 do PSH e dois de outros partidos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade