UAI
Publicidade

Estado de Minas ESTOCOLMO

Drone é usado para socorrer idoso em ataque cardíaco na Suécia


07/01/2022 14:17

Mais rápido que uma ambulância, um drone autônomo carregando um desfibrilador só precisou de alguns minutos para chegar ao seu destino e salvar a vida de um homem de 71 anos, vítima de parada cardíaca na Suécia.

"Desde a primeira chamada para o 112 [o número de emergência] até o drone receber o sinal de partida e decolagem, decorreram entre 15 e 30 segundos. Todo o processo demorou cerca de três minutos e meio", contou à AFP Sven, que preferiu não informar seu sobrenome.

No início de dezembro, este morador de Trollhattan, no oeste da Suécia, estava limpando a neve na frente de sua casa quando se sentiu tonto.

O septuagenário teve sorte, pois o médico Mustafa Ali, que passava por ali para ir trabalhar, parou imediatamente e fez uma primeira massagem cardíaca enquanto a esposa ligava para o número de emergência.

O desfibrilador chegou em minutos e Mustafa Ali foi capaz de reativar o coração.

Combinado com reanimação rápida e medicamentos administrados na ambulância, que chegou minutos depois, o dispositivo "realmente ajudou" a salvar a vida do homem, disse Ali.

"Acho que é uma ferramenta muito boa, principalmente quando se trata de pacientes que estão longe do hospital mais próximo", comentou o médico.

Com a ajuda de cabos, o desfibrilador desceu sem a necessidade do drone pousar. O uso de drones médicos faz parte de um projeto executado pela empresa Everdrone na região de Gotemburgo (oeste), em colaboração com o Centro de Ciências de Reanimação do Instituto Karolinska de Estocolmo, o serviço de emergência sueco SOS Alarm e a autoridade regional de saúde.

A rede pode chegar a 200.000 residentes na Suécia e "deve ser estendida a outras partes da Europa em 2022", explicou a empresa em um comunicado.

No futuro, os drones poderão transportar outros equipamentos médicos, de acordo com Everdrone.

"Esses drones podem entregar kits de trauma em várias situações e ir a ilhas ou outros lugares de difícil acesso", disse o presidente da Everdrone, Mats Sällström, questionado pela AFP.

"Começamos com o desfibrilador porque é um elemento onde os minutos contam" e no qual um drone pode realmente fazer a diferença, acrescentou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade