UAI
Publicidade

Estado de Minas LIMA

Risco de impeachment presidencial volta ao Peru


03/12/2021 08:42

O Peru enfrenta novamente a possibilidade de uma saída abrupta de seu presidente, um ano depois de ter tido três líderes em apenas cinco dias.

O Congresso peruano, dominado pela oposição, decidirá na terça-feira se aceita debater a moção de impeachment do presidente de esquerda Pedro Castillo, recordando as quedas dos líderes Pedro Pablo Kuczynski em 2018 e Martín Vizcarra em 2020.

"A ação do presidente deixa muito a desejar", disse a deputada Heidy Juárez, da Aliança para o Progresso (centro-direita), ao apoiar a moção apresentada no dia 26 de novembro por três partidos de direita, incluindo o fujimorista Força Popular.

"O objetivo desses grupos é expulsar o presidente sem sustentação nenhuma e com absoluta irresponsabilidade", reagiu Castillo em mensagem ao país na segunda-feira.

Castillo, um professor rural de 52 anos que derrotou em junho a direitista Keiko Fujimori, tem sido perseguido pela oposição há 120 dias, o que provocou a saída de uma dezena de ministros.

O presidente se viu afetado por um escândalo de suposta interferência de seu governo nas promoções militares, pelo que foi intimado a depor em 14 de dezembro perante a procuradora da República, Zoraida Ávalos.

Para este caso, o ministro da Defesa, Walter Ayala, e o secretário da Presidência, Bruno Pacheco, renunciaram.

O nível de reprovação do presidente passou de 46% em setembro para 57% em novembro.

"A melhor saída da crise seria a destituição de Castillo e sua vice-presidente [Dina Boluarte] e a convocação de novas eleições presidenciais", disse à AFP o sociólogo Fernando Rospigliosi, assessor de Fujimori.

"É um ataque violento da direita, porque nunca aceitaram democraticamente a derrota nas urnas", declarou por sua vez à AFP a ex-congressista e escritora de esquerda Rocío Silva Santisteban.

A admissão do debate da moção não está garantida, pois essa etapa requer 40% dos votos dos parlamentares presentes. E para destituir um presidente são necessários os votos de pelo menos 87 do total de 130 parlamentares.

A possível destituição de Castillo está no ar desde sua eleição, quando a direita denunciou "fraude", apesar do aval dado ao processo eleitoral por observadores da OEA e da União Europeia.

A incerteza política prejudica a economia peruana: o dólar está em alta enquanto o investimento privado cai, desacelerando o crescimento.

Se Castillo for afastado do cargo, a vice-presidente Boluarte assumirá, correndo o risco de enfrentar um destino semelhante.

Se também for destituída, a cadeira presidencial seria ocupada pela chefe do Congresso, a direitista María del Carmen Alva, que teria que convocar eleições em seis meses.

Silva Santisteban alerta ainda que um eventual impeachment de Castillo levará a grandes protestos, como aconteceu com Vizcarra. "Vai haver uma mobilização contra isso, as pessoas vão sair às ruas", prevê.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade