UAI
Publicidade

Estado de Minas BOSNEK

Acidente de ônibus mata 46 pessoas na Bulgária


23/11/2021 20:45 - atualizado 23/11/2021 20:50

Quarenta e seis pessoas, incluindo 12 menores de idade, morreram carbonizadas na madrugada desta terça-feira (23) na Bulgária, quando o ônibus em que viajavam sofreu um incêndio em uma rodovia e os passageiros ficaram presos dentro do veículo.

A maioria das vítimas era procedente da Macedônia do Norte, onde o ônibus estava registrado. Apenas sete pessoas conseguiram fugir das chamas.

O primeiro-ministro norte-macedônio, Zoran Zaen, viajou imediatamente para Sófia e se encontrou no hospital com os sete sobreviventes da tragédia, a mais grave em uma rodovia europeia na última década.

A Macedônia do Norte declarou três dias de luto nacional e na quarta-feira, a Bulgária e Kosovo também terão um dia de luto.

A tragédia aconteceu às 2h locais, em uma rodovia próxima do município de Bosnek, 40 km ao sul de Sófia.

O veículo retornava para Skopje, capital da Macedônia do Norte, depois de uma viagem à Turquia.

Imagens exibidas pela televisão mostram o ônibus queimado. O veículo bateu em uma cerca de segurança por um motivo ainda indeterminado.

- Cena "assustadora" -

O ministro búlgaro do Interior, Boiko Rashkov, classificou a cena do acidente de "assustadora". "Nunca vi nada igual", disse, explicando que os trabalhos de identificação dos corpos serão complicados.

Segundo as primeiras observações no local, onde era possível ver os restos carbonizados do veículo, "podemos supor que estavam vivos no momento da colisão e tentaram sair do ônibus", mas as portas estavam fechadas, disse à AFP o promotor adjunto, Borislav Sarafov.

"O motorista morreu na hora e por isso não havia ninguém que pudesse abrir as portas" e permitir aos passageiros escapar, explicou o chefe de polícia nacional, Stanimir Stanev.

Os sete sobreviventes viajavam na parte de trás do ônibus e conseguiram quebrar uma das janelas para fugir das chamas. Entre eles está uma adolescente de 16 anos.

"É uma grande tragédia", disse Zoran Zaev, lembrando a idade dos falecidos. Doze das vítimas tinham menos de 18 anos, entre eles dois gêmeos de quatro, e o restante tinha entre 20 e 30 anos.

Os turistas, de diferentes minorias étnicas, viajavam em um comboio de quatro ônibus que voltavam de um fim de semana em Istambul, na Turquia.

Alguns membros das famílias das vítimas viajaram da Macedônia do Norte para Sófia para ver seus entes queridos, mas não puderam entrar no hospital.

"Só sei que o meu tio está vivo e bem, mas não tenho notícias nem de sua mulher, nem de seu filho (...) Os médicos dizem que não estão aqui, então certamente devem estar entre as vítimas" fatais, contou Yusuf Bajazidovski à AFP em frente ao centro de saúde.

- Sem autorização internacional -

Em Skopie, vários moradores desesperados se reuniram em frente à agência de turismo que organiza este tipo de viagem a Istambul.

"Perdi toda a minha família", disse à imprensa local um homem, com dez familiares mortos na tragédia. Uma escola da capital lamentou a morte de cinco alunos.

A rodovia foi recentemente renovada graças a fundos da União Europeia, da qual a Bulgária faz parte desde 2007. Mas este trecho tinha áreas muito íngremes, sem linhas divisórias, segundo uma associação de prevenção rodoviária, que havia alertado as autoridades sobre o problema.

O primeiro-ministro interino, Stefan Yanev, anunciou que abriu uma investigação, mas descartou a hipótese de que a causa tenha sido o estado da rodovia.

Segundo autoridades, o veículo não tinha autorização de transporte internacional de passageiros.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, enviou uma mensagem de pêsames, assim como o presidente russo, Vladimir Putin.

Este é o acidente de ônibus mais grave da história da Bulgária, segundo as autoridades do país.

Em agosto de 2018, 20 pessoas morreram no país quando um ônibus sofreu um acidente durante uma forte chuva. No momento da tragédia, o veículo transportava um grupo de turistas búlgaros para Sófia, após a visita a um mosteiro.

País com 6,9 milhões de habitantes, a Bulgária registrou mais de 620 acidentes fatais nas estradas em 2019, e 463, em 2020. Este último número foi inferior à média, devido às restrições sanitárias que limitaram os deslocamentos no território.

Ainda assim, esta é uma das piores estatísticas da UE, provocada pelo estado precário das rodovias, pelos automóveis sem manutenção e com problemas mecânicos e pelo frequente excesso de velocidade na direção.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade