UAI
Publicidade

Estado de Minas HONG KONG

Jovem ativista pró-democracia em Hong Kong é condenado por 'secessão'


23/11/2021 10:50

Um jovem ativista pró-democracia de Hong Kong foi condenado nesta terça-feira (23) a três anos e meio de prisão após se declarar culpado de "secessão" em virtude da drástica lei de segurança nacional.

Tony Chung, de 20 anos, é o ativista mais jovem a ser condenado por essa legislação, imposta em junho de 2020 por Pequim, e que permite reprimir qualquer dissidência neste centro financeiro, antes considerado um lugar privilegiado de liberdade de expressão.

No início de novembro, ele se declarou culpado da acusação de "secessão" e outra de "lavagem de dinheiro", enquanto afirmou, com provocação, que "não tinha nada a ser censurado".

Tony Chung era líder da associação estudantil Student Localism, fundada em 2016 e que reivindicava a independência de Hong Kong.

Pequim impôs a lei de segurança nacional para encerrar as gigantes e frequentemente violentas manifestações que abalaram a cidade em 2019. A Student Localism foi dissolvida algumas horas depois da entrada da lei em vigor.

As autoridades acusaram Chung de ter continuado com a associação com a ajuda de militantes estrangeiros e de ter solicitado doações pelo PayPal, o que, segundo elas, constitui lavagem de dinheiro.

A acusação afirmou que a associação publicou mais de 1.000 mensagens nas redes sociais nas quais pedia, entre outras coisas, que "o regime colonial comunista chinês" fosse eliminado e "uma República de Hong Kong" fosse construída.

Algumas mensagens citadas pelos promotores remontam a um período anterior à entrada da lei de segurança nacional em vigor, apesar de as autoridades de Hong Kong terem afirmado que não seria retroativa.

Nesta terça-feira, Stanley Cha, um dos juízes escolhidos pelo governo para julgar casos de segurança nacional, afirmou que a intenção criminosa de Chung era "clara para todos", tanto nas redes sociais quanto nas entrevistas, nas ruas e nas escolas.

O jovem militante já cumpriu mais de um ano de prisão depois de ter sido preso no final de outubro de 2020 por policiais à paisana, a poucos metros do consulado dos Estados Unidos, no qual desejava solicitar asilo.

PayPal


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade