UAI
Publicidade

Estado de Minas HONG KONG

Passageiros dormem em ônibus sem destino em Hong Kong


23/11/2021 09:42

Pagar para dormir em um ônibus? Em Hong Kong, essa é a aposta feita por uma nova empresa de ônibus turísticos que propõe viagens sem destino, uma oferta apresentada como solução para combater os problemas de insônia.

Em um domingo ensolarado, cerca de 70 passageiros - entre eles crianças animadas e aposentados com cabelos grisalhos - sobem em dois grandes ônibus de dois andares. Destino final: "lugar nenhum". O primeiro é um "ônibus silencioso", no qual as pessoas podem dormir; o outro, um ônibus clássico de turismo.

A viagem de 85 quilômetros começa em um bairro animado da cidade, antes de percorrer as rodovias costeiras e chegar ao aeroporto de Hong Kong, quase deserto desde o início da pandemia de coronavírus.

Enquanto alguns aproveitam a vista, outros colocam protetores de ouvido e máscaras nos olhos, mergulhando rapidamente nos braços de Morfeu por cinco horas - o tempo que dura a viagem de ônibus, que passa por vários pontos turísticos.

"Acredito que todo o mundo viveu a experiência de não conseguir dormir em casa, enquanto em um ônibus você pode dormir muito profundamente, porque balança e vibra", explica à AFP Ho Wai, um adepto recente desses ônibus silenciosos.

"Todos os habitantes de Hong Kong estão estressados com o trabalho, com os preços dos imóveis, com a vida, e agora não podemos viajar", lamenta, referindo-se às normas rigorosas de quarentena para combater a covid-19, que praticamente isolaram Hong Kong do restante do mundo.

"Com todo estresse acumulado, acredito que muitos moradores de Hong Kong não dormem bem", comenta.

- Sensação de viajar -

Outro passageiro, Matthew Chick, também decidiu se juntar à viagem com a esperança de resolver os problemas de sono das últimas semanas. Ele não consegue, porém, tirar os olhos da janela.

"O dia está muito lindo para dormir", afirma o jovem de 29 anos.

O preço das passagens oscila entre 99 e 399 HKD (entre US$ 12,73 e US$ 51,25). Os assentos do segundo andar são mais caros.

De acordo com o presidente e contratante da Ulu Travel, Frankie Chow, os trajetos escolhidos têm o menor número de semáforos possível para reduzir as paradas, que podem despertar os passageiros.

Para ele, o objetivo dessas viagens é duplo: que as pessoas que têm dificuldades para dormir possam tirar uma soneca e oferecer um momento de espairecimento aos habitantes de Hong Kong que desejam fazer um pouco de turismo, após 20 meses de fechamento das fronteiras.

A estratégia de "zero coronavírus" aplicada pelo governo permitiu manter a taxa de infecção em um nível baixo, mas isolou completamente este centro de negócios internacional.

"Costumava ir todos os meses ao aeroporto (para viajar)", conta um dos passageiros, que pediu para não ser identificado.

"Além de dormir, essa viagem nos dá a sensação de viajar", explica.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade