UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Juíza questiona processo de Trump para manter em segredo documentos de 6 de janeiro


04/11/2021 19:50

Uma juíza de Washington questionou nesta quinta-feira (4) o processo do ex-presidente Donald Trump para bloquear a divulgação de registros da Casa Branca, que poderiam implicá-lo, assim como seus colaboradores, no ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos Estados Unidos.

Quatro semanas após o presidente Joe Biden aprovar a liberação dos mesmos documentos, a juíza Tanya Chutkan expressou dúvidas sobre a reivindicação de Trump a respeito do privilégio presidencial de manter sob sigilo comunicações e registros de visitantes relacionados àquele dia.

Os documentos foram solicitados pela comissão especial da Câmara dos Representantes que investiga os eventos violentos de 6 de janeiro, quando centenas de apoiadores de Trump invadiram a sede do Congresso, forçando seu fechamento e atrasando uma sessão que confirmava Biden como o vencedor das eleições e o novo presidente.

O processo de Trump busca uma suspensão para impedir a divulgação dos documentos, sob o argumento de que, como ex-presidente, ele mantém privilégios para proteger seu trabalho e comunicações.

"O ex-presidente tem o direito de fazer valer seu privilégio", afirmou o advogado de Trump, Justin Clark. No entanto, Chutkan o desafiou a citar qualquer precedente, à luz da ordem já dada por Biden para divulgar os registros.

"Como devo pesar a reivindicação de privilégio de um presidente anterior quando o presidente atual diz que não há nenhum?", perguntou a juíza. "Quem melhor pode determinar se existe um privilégio executivo é o Executivo", acrescentou.

Ela também questionou a alegação de Clark de que a comissão especial, que também convocou assessores de Trump para testemunhar, não tem razão legítima para pedir esses documentos.

Mais uma vez, Chutkan perguntou: "Realmente está dizendo que as notas, os tópicos de conversa e conversas telefônicas do presidente em 6 de janeiro não têm relação com a questão sobre a qual o Congresso está legislando?"

A juíza, no entanto, concordou com Clark que a solicitação de documentos feita pela comissão, que inclui arquivos que datam de abril de 2020, pode ser ampla demais.

Um advogado que representa a comissão, Douglas Letter, explicou que a ideia era mostrar que Trump encorajou o ataque alimentando a raiva entre seus apoiadores. "Este ataque não surgiu do nada", advertiu Letter ao tribunal.

Chutkan, diante da urgência do pedido de Trump para bloquear a divulgação, garantiu que emitiria uma decisão "rapidamente".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade