UAI
Publicidade

Estado de Minas ROMA

Líderes dos EUA, França, Alemanha e Reino Unido expressam preocupação sobre o Irã


30/10/2021 13:18

Os líderes dos Estados Unidos, França, Reino Unido e Alemanha expressaram, neste sábado (30), sua "viva e crescente preocupação" a respeito da violação do acordo de 2015 sobre o programa nuclear iraniano por Teerã, a quem pediram uma "mudança de rumo".

"Expressamos (...) nossa viva e crescente preocupação com o ritmo acelerado das medidas provocativas adotadas pelo Irã no âmbito nuclear", diz o comunicado conjunto dos dirigentes, que alerta que Washington não retornará ao pacto se Teerã persistir em sua atitude.

Os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da França, Emmanuel Macron, e os chefes de Governo da Alemanha, Angela Merkel, e do Reino Unido, Boris Johnson, se reuniram à margem da cúpula dos líderes das 20 nações mais desenvolvidas, G20, em Roma.

Esses países, juntamente com a China e a Rússia, alcançaram um acordo histórico em 2015 para limitar o escopo do programa nuclear do Irã, a fim de impedir o desenvolvimento da bomba atômica, em troca do levantamento das sanções internacionais contra a República Islâmica. Em 2018, porém, o então presidente americano, Donald Trump, abandonou o pacto.

Diante da reimposição das sanções pela administração americana, o Irã, então presidido pelo moderado Hassan Rohani, decidiu retomar a produção de urânio altamente enriquecido, gerando preocupação entre os europeus que desejavam salvaguardar o pacto.

O Irã, que agora é governado pelo presidente ultraconservador Ebrahim Raissi, expressou esta semana sua disposição de retomar as negociações em novembro para salvar o acordo, ao qual o atual ocupante da Casa Branca, o democrata Biden, também pensa em retornar.

"Estamos convencidos de que ainda é possível alcançar e implementar rapidamente um acordo sobre o retorno ao cumprimento" do pacto, indicaram os quatro líderes ocidentais em seu comunicado, no qual especificam que "isso só será possível se o Irã mudar de rumo".

"Pedimos ao presidente Raissi que aproveite esta oportunidade e retome um esforço de boa fé para levar nossas negociações a uma conclusão bem-sucedida com urgência. Esta é a única maneira segura de evitar uma escalada perigosa, que não beneficiria nenhum país", avisaram.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade