UAI
Publicidade

Estado de Minas BRUXELAS

Tribunal da UE condena Polônia à multa diária de EUR 1 milhão por reforma judicial


27/10/2021 17:43 - atualizado 27/10/2021 17:49

A Polônia foi condenada nesta quarta-feira (27) a pagar uma multa de um milhão de euros por dia para a União Europeia (UE) por não ter encerrado as atividades da câmara disciplinar de sua Suprema Corte, instituição no centro de uma controversa reforma do Judiciário.

A medida faz parte do contexto de uma disputa entre a União Europeia e a Polônia sobre o Estado de Direito e a independência da Justiça.

Em 14 de julho, o tribunal de Justiça da UE (TJUE) ordenou à Polônia o fim imediato das atividades da câmara disciplinar de sua Suprema Corte.

O órgão, lançado no âmbito de uma polêmica reforma do sistema judiciário polonês, é responsável por supervisionar juízes e tem autoridade para retirar deles sua imunidade e fazer com que sejam processados criminalmente ou tenham seu salário reduzido.

"A questão da organização do sistema judiciário depende da competência exclusiva dos Estados-membros", reagiu nesta quarta-feira o porta-voz do governo polonês, Piotr Muller, que afirmou que esta reorganização visa um "funcionamento eficiente". "A via escolhida de multas e chantagens não é boa", alertou.

Por sua vez, para o comissário europeu da Justiça, Didier Reynders, a decisão do TJUE confirma "as profundas preocupações sobre o risco de danos graves e irreparáveis para a ordem jurídica da União Europeia e do Estado de Direito".

"Estamos disponíveis para dialogar com as autoridades polonesas", acrescentou, anunciando que iria a Varsóvia em meados de novembro.

O chefe de governo polonês, o conservador nacionalista polonês Mateusz Morawiecki, se comprometeu recentemente a abolir a câmara disciplinar, cujo desmantelamento já havia sido anunciado pela Polônia em agosto. Porém, a instância continua funcionando.

Em julho, o TJUE considerou que esta câmara "não oferece todas as garantias de imparcialidade e independência e que não está a salvo de influências diretas ou indiretas dos poderes Legislativo e Executivo".

"O respeito das medidas provisórias de 14 de julho é necessário para evitar um dano grave e irreparável à ordem jurídica da União Europeia, assim como aos valores sobre os quais essa União está fundada, especialmente o Estado de Direito", afirmou nesta quarta-feira o TJUE, com sede em Luxemburgo.

Em 7 de setembro, a Comissão Europeia solicitou ao TJUE uma sanção financeira, alegando que os "sistemas judiciais da UE devem ser independentes e igualitários".

- Plano de reativação congelado -

Segundo uma fonte do bloco europeu, a multa deve ser aplicada a partir desta quarta-feira, assim que a Polônia receber a notificação do tribunal.

Polônia e UE se enfrentam devido a uma série de polêmicas reformas judiciais de Varsóvia. Para Bruxelas, essas medidas contrariam as liberdades democráticas, mas para o governo polonês elas são necessárias para acabar com a corrupção dos juízes.

As tensões aumentaram desde 7 de outubro, quando o Tribunal Constitucional polonês concluiu que certas partes do direito europeu eram incompatíveis com a Constituição do país. Isto causou irritação entre os europeus, que viram na decisão um ataque sem precedentes à primazia do direito da UE e ao respeito das decisões do TJUE.

A Polônia, por sua vez, afirma que deseja continuar fazendo parte do bloco, ao qual aderiu em 2004, mas tem denunciado repetidamente o que Varsóvia chama de "chantagem" de Bruxelas

O plano de recuperação pós-covid da Polônia, de 36 bilhões de euros (41,8 bilhões de dólares) está bloqueado atualmente pela Comissão Europeia, que deseja garantias de independência do sistema judicial polonês.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade