UAI
Publicidade

Estado de Minas BEIRUTE

Governo do Líbano em crise por investigação da explosão no porto de Beirute


13/10/2021 13:32

O governo libanês precisou adiar uma reunião programada nesta quarta-feira (13) pelas fortes tensões geradas pela investigação da explosão no porto de Beirute, com o Hezbollah e seus aliados exigindo que o juiz encarregado do caso seja substituído por outro.

Na terça-feira, o juiz Tareq Bitar, vítima de uma campanha de difamação, foi obrigado a suspender sua investigação pela segunda vez. Pouco antes, emitiu uma ordem de prisão contra o ex-ministro das Finanças e deputado Ali Hassan Khalil, alto responsável do movimento Amal, um partido xiita aliado do Hezbollah.

O magistrado é alvo de uma campanha promovida por vários partidos, como o Hezbollah, que na segunda-feira o acusou de politizar a investigação, solicitando que seja substituído.

A explosão, que ocorreu em 4 de agosto de 2020 por causa do armazenamento, sem as medidas de segurança pertinentes, de enormes quantidades de nitrato de amônio, provocou mais de 200 mortes e 6.500 feridos e destruiu bairros inteiros de Beirute.

As autoridades rejeitaram a realização de alguma investigação internacional e as famílias das vítimas e as ONGs as acusam de prejudicar a investigação local.

Além disso, os responsáveis políticos, de todas as tendências, se recusam a serem interrogados pelo juiz.

Este assunto quase impediu uma reunião de governo celebrada na terça-feira à tarde, explicou à AFP um responsável que pediu anonimato.

Os ministros do Hezbollah "pediram que o juiz seja substituído, mas o governo não está habilitado para fazer isso e esse tema corresponde ao alto conselho de justiça", explicou a fonte.

Além disso, o Conselho de Ministros que estava previsto para terça-feira foi adiado, por não ter chegado a um acordo sobre essa questão do magistrado.

Ao mesmo tempo, simpatizantes do Hezbolla e de Amal convocaram uma manifestação para quinta-feira (14) em frente ao Palácio da Justiça, onde os familiares das vítimas da explosão costumam se reunir, exigindo que a investigação seja finalizada.

O governo do Líbano, dirigido pelo primeiro-ministro Najib Mikati, foi formado em 10 de setembro, após mais de um ano de vazio político, depois que o Executivo de Hasan Diab renunciou por causa da explosão.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade