UAI
Publicidade

Estado de Minas SEUL

Após suicídio, tribunal sul-coreano dá razão a soldado trans


07/10/2021 06:41

Um tribunal sul-coreano decidiu, nesta quinta-feira (7), que os militares agiram de forma injusta ao dispensar uma soldado por ter-se submetido a uma cirurgia de mudança de gênero, uma decisão que a levou ao suicídio meses atrás.

A sargento Byun Hee-soo, com idade em torno dos 20 anos, havia-se alistado voluntariamente em 2017 e, dois anos depois, submeteu-se a essa intervenção na Tailândia.

O Ministério da Defesa classificou a remoção de sua genitália masculina como deficiência física, ou mental, e um comitê decidiu, em janeiro de 2020, dispensá-la do serviço militar.

Seu caso foi pioneiro na Coreia do Sul, um país ainda muito conservador nas questões relacionadas à identidade sexual e menos tolerante do que outros países asiáticos em relação aos direitos LGTBI.

A soldado apresentou uma denúncia administrativa em agosto de 2020, mas, sete meses depois, foi encontrada morta em casa.

Agora, o tribunal distrital de Daejeon (centro) decidiu a favor dela, dizendo que o Exército deveria tê-la aceito oficialmente em suas fileiras como uma mulher, após a cirurgia.

Segundo a agência de notícias Yonhap, a corte reconheceu-a legalmente como mulher, o que impossibilita as autoridades militares de concluírem que ela tinha "uma deficiência física, ou mental".

O Ministério da Defesa disse à AFP que "respeita a decisão do tribunal", mas que ainda vai decidir se deve apelar da decisão.

A morte de Byun causou comoção no país e apelos ao Parlamento para que aprove uma lei antidiscriminação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade