UAI
Publicidade

Estado de Minas ASHFORD

Caminhoneiros no Reino Unido não veem luz no fim do túnel


06/10/2021 09:05

"Sou divorciado e, infelizmente, isso é algo bastante comum" nesta profissão, explica Dean Arney, caminhoneiro há quase 40 anos, que lamenta como muitos as duras condições de trabalho em um momento em que o Reino Unido precisa desesperadamente de motoristas.

"Meu filho (...) estava pensando em pegar a estrada", mas "eu o aconselhei a não fazer isso", acrescenta este britânico do alto da cabine de seu caminhão na parada de estrada de Ashford, um ponto de passagem entre Londres e o túnel sob o Canal da Mancha, que conecta o Reino Unido ao continente europeu.

Arney descreve condições de trabalho difíceis, vida familiar complicada e salários ainda insuficientes.

Diante de uma grave falta de caminhoneiros, que causou uma escassez de mercadorias e gasolina em todo o Reino Unido, o governo britânico propôs até 5.000 vistos de trabalho com duração entre 3 e 6 meses. Mas, até agora, apenas 27 inscrições foram enviadas para as 300 vagas abertas.

"Esta medida, embora positiva, é tardia e não tem um apelo claro para os motoristas não britânicos, porque parece muito temporária e também porque os motoristas não britânicos têm boas oportunidades fora do Reino Unido", considera Luis Gómez, presidente da grupo de transporte XPO Logistics.

A escassez de motoristas atinge todo o continente, mas aqui é especialmente grave, frisa, lembrando que dos 400 mil motoristas desaparecidos na Europa, 100 mil correspondem ao Reino Unido.

Para os veteranos de uma profissão com idade média em torno de 58 anos, esse desequilíbrio do mercado pode ser uma boa notícia.

"Os motoristas têm que suportar salários baixos, instalações degradadas, roubo frequente de cargas", diz Steven Evans, um ex-motorista e agora proprietário de uma empresa de transporte em Liverpool, que teve que pegar a estrada novamente devido à escassez.

- Locais deteriorados, insegurança -

Segundo o empresário, as empresas agora tentam seduzir novos motoristas a todo custo para convencê-los a trabalhar seis dias por semana e em jornadas de até 15 horas.

"Normalmente eu pagava aos meus motoristas 1.000 libras (1.400 dólares, 1.200 euros) por semana, agora subiu para 1.400 libras (1.900 dólares, 1.600 euros)", explica.

Mas Arney está menos otimista e diz que agora cobra menos do que na década de 1990.

Acostumado a viajar para a Europa, como a maioria de seus colegas, ele é muito crítico em relação à infraestrutura britânica.

"Os estacionamentos nos cobram pela noite, e pela manhã você acorda com a porta de correr arrancada com sua carga e combustível roubados", reclama. "Também pode acontecer na Europa, mas aqui é um problema real".

Outro motivo para preferir o continente: "Na França, você pode pagar uma refeição completa, entrada, prato principal e sobremesa, por 10 ou 11 euros. No Reino Unido, você tem que pagar entre 7 e 10 libras (8 a 12 euros) por lasanha e batatas fritas ou um bolo de carne", compara Steven Abbott, outro caminhoneiro.

Aos 35, Abbott opta por fazer apenas viagens relativamente curtas, o que lhe permite voltar para casa todas as noites.

"Já vi chuveiros nas paradas onde a água pinga devagar, é preciso segurar com as duas mãos para consegui se molhar, não dá pra fazer isso cinco noites por semana", diz.

Várias empresas lhe ofereceram contratos com melhores salários para viagens longas, que o fariam passar a maior parte das noites na estrada. "Eu ganharia 10.000 libras a mais por ano, mas não conseguia ver meus filhos crescerem", justifica.

O casal romeno formado por Marian e Mariana-Loredana Aivanesei é motorista. Eles se alternam ao volante de seu caminhão por quatro horas cada, entre a Europa e o Norte da África.

Bloqueados temporariamente em Ashford devido a um problema administrativo, eles nem consideram a possibilidade de solicitar um visto britânico. "Significaria se estabelecer aqui, pagar um aluguel britânico", diz Marian enquanto espera por sua pizza em um drive-thru.

"Eles nos dizem que os motoristas estrangeiros estão aqui para pegar seus empregos, mas não vejo nenhum britânico querendo manter o seu", resume Evans.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade