UAI
Publicidade

Estado de Minas GENEBRA

Mais de 5 bilhões de pessoas terão dificuldade de acesso à agua em 2050


05/10/2021 10:21

Mais de 5 bilhões de pessoas poderão ter dificuldade de acesso à água até 2050 - advertiu a Organização Meteorológica Mundial (OMM) nesta terça-feira (5).

Em 2018, já havia 3,6 bilhões de pessoas sem acesso suficiente à água por pelo menos um mês, informa o novo relatório desta agência da ONU.

A OMM relata que, nos últimos 20 anos, o armazenamento de água no solo diminuiu um centímetro a cada ano, levando-se em consideração a superfície, o subsolo e a umidade do solo, assim como gelo e neve.

As maiores perdas estão ocorrendo na Antártica e na Groenlândia, mas "muitas áreas densamente povoadas, em latitudes mais baixas, sofrem perdas significativas em lugares, nos quais se costuma se abastecer de água", acrescenta a OMM.

Estas perdas têm "consequências importantes para a segurança hídrica", ressalta o documento, em especial, porque "a água doce utilizável e disponível representa apenas 0,5% da água presente na Terra".

Ao mesmo tempo, os riscos relacionados com a água aumentaram nas últimas duas décadas.

Desde 2000, o número de catástrofes envolvendo inundações aumentou 134% em comparação com as duas décadas anteriores. Enquanto isso, o número e a duração dos eventos de seca aumentaram 29% no mesmo período.

A maioria das mortes e dos danos econômicos causados pelas enchentes acontece na Ásia, mas a seca é a principal causa de óbitos na África.

Para a OMM é fundamental investir tanto em sistemas que permitem uma melhor gestão dos recursos quanto nos sistemas de alerta precoce.

"Estes serviços, sistemas e investimentos ainda não são suficientes", observa a organização.

Cerca de 60% dos serviços meteorológicos e hidrológicos nacionais - os mesmos encarregados de fornecer informações e alertas para as autoridades e para o público em geral - "não dispõem de toda capacidade necessária para prestar serviços climatológicos para o setor hídrico".

A organização descobriu que, em cerca de 40% de seus países-membros, "não se coleta dados sobre as variáveis hidrológicas básicas". Além disso, "em 67% deles não se dispõe de dados hidrológicos".

Em pouco mais da metade dos países, não há sistemas de previsão e de alerta de início, nem de fim das secas, ou, quando existem, são inadequados. Em um terço dos países-membros, os sistemas de previsão e de alerta para aumento no volume de água dos rios também são inexistentes, ou inadequados.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade