UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Covid aumenta risco de miocardite bem mais do que vacinação, conclui estudo


31/08/2021 17:32

O risco de miocardite, uma inflamação do músculo cardíaco, aumenta para os pacientes com Covid-19, aponta um estudo americano divulgado nesta terça-feira, que argumenta fortemente em favor da vacinação.

Foi apontado o risco de desenvolvimento de miocardite após a vacinação com os imunizantes da Pfizer e Moderna, principalmente em crianças e homens jovens. Esse risco, no entanto, é alto após a infecção pela doença em si, assinala o estudo, realizado pelo Centros para a Prevenção e o Controle de Doenças (CDC), que analisou dados de consultas em mais de 900 hospitais.

"A miocardite permanece rara em pacientes com ou sem Covid", diz o relatório do CDC. "No entanto, a Covid-19 é um fator de risco forte e importante para miocardite, e esse risco varia com a idade."

Os pacientes com Covid examinados entre março de 2020 e janeiro de 2021 tinham em média quase 16 vezes mais chances de desenvolver miocardite do que aqueles que não contraíram o vírus, de acordo com o estudo. O risco foi maior em menores de 16 anos, bem como em maiores de 50.

Entre as crianças, alguns casos identificados de miocardite podem corresponder a uma síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (PIMS ou MIS-C), observa o estudo.

Em 2020, o número de consultas por miocardite nos hospitais estudados foi 42% superior ao de 2019. Os picos correspondem ao número de casos de Covid. Entre as pessoas com Covid e miocardite, a grande maioria foi diagnosticada com ambas as doenças no mesmo mês. O mecanismo exato que pode estar na origem desse vínculo é desconhecido, segundo o CDC.

O estudo não faz diretamente uma comparação com o risco de miocardite após a vacinação. No entanto, o relatório do CDC cita um estudo israelense publicado na semana passada na revista científica NEJM, segundo o qual o risco de desenvolver miocardite após a imunização com uma vacina de RNA mensageiro (a da Pfizer) multiplicou-se por três.

Também segundo o estudo, o risco de miocardite associado a uma infecção por coronavírus se multiplicou por 18, bem mais do que após a vacina, o que leva à conclusão de que o risco-benefício é claramente favorável à vacinação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade