UAI
Publicidade

Estado de Minas CABUL

O futuro incerto da imprensa no Afeganistão


24/08/2021 15:19

Entre as dezenas de milhares de afegãos que tentam fugir estão muitos jornalistas, que temem represálias dos novos líderes do Afeganistão após o retorno do Talibã ao poder.

Apesar das promessas dos talibãs, que insistem em repetir que estão mais tolerantes do que em 2001, a imprensa afegã, que se desenvolveu fortemente após sua queda, teme por seu futuro.

- Como era o cenário da mídia com o Talibã? -

Durante o governo talibã do Afeganistão, de 1996 a 2001, não havia mídia como hoje.

A visão ultraortodoxa da lei islâmica aplicada pelos fundamentalistas proibia a televisão, o cinema e muitas formas de lazer consideradas imorais.

Os flagrados assistindo à televisão eram punidos e seus equipamentos destruídos. Possuir um toca-fitas era punível com surras públicas.

Por um tempo, mesmo na capital Cabul, fitas cassete podiam ser vistas em galhos de árvores e televisores pendurados em postes de luz.

Havia apenas uma estação de rádio autorizada, "The Voice of Sharia" (lei islâmica), que transmitia mensagens islâmicas.

- O que aconteceu desde 2001? -

Após a expulsão do Talibã do poder, graças a uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, o setor de mídia experimentou uma revolução, com a criação de muitas estações privadas de rádio e televisão.

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) afirmou em agosto que existem atualmente 165 estações de rádio, 50 emissoras de televisão e dezenas de publicações impressas no Afeganistão.

A chegada dos celulares ao país também permitiu um maior acesso à internet e às redes sociais.

A melhoria da liberdade de imprensa é considerada uma das maiores conquistas das últimas duas décadas.

Depois do Quirguistão, o Afeganistão (122º) é o país mais bem posicionado na região em relação à liberdade de imprensa de acordo com a RSF, à frente de países como Índia (142º), Paquistão (145º), Rússia (150º), Irã (174º) e China (177º).

Acima de tudo, o desenvolvimento da mídia abriu novas oportunidades para as mulheres, antes proibidas de trabalhar pelo Talibã.

Centenas delas trabalham hoje como apresentadoras, jornalistas ou produtoras na imprensa e organizações de comunicação.

Dezenas de jornalistas afegãos também trabalham para a mídia estrangeira.

- O que o Talibã promete? -

Depois de assumir o controle do país com a conquista de Cabul em 15 de agosto, o Talibã afirmou que deixaria a imprensa trabalhar livremente e que os jornalistas não tinham nada a temer.

Acompanhando suas promessas com exemplos, um de seus porta-vozes, Zabihulá Mujahid, respondeu a perguntas em uma entrevista coletiva. Outro líder talibã foi entrevistado cara a cara por uma mulher. Mas poucos jornalistas confiam em suas palavras.

Nas últimas semanas, dezenas de emissoras de televisão e rádio pararam de transmitir ou foram controladas pelos insurgentes, à medida que a ofensiva do Talibã avançava.

Apesar de prometer anistia para ex-funcionários do governo e respeitar os direitos das mulheres, os fundamentalistas estão procurando opositores de casa em casa, incluindo jornalistas.

Na província de Yauzyan, a estação de rádio Salam Watandar informou na segunda-feira que seu conteúdo só pode ser transmitido após controle prévio das novas autoridades.

- O que os jornalistas afegãos pensam? -

O medo e a desconfiança do Talibã em relação aos jornalistas afegãos têm raízes profundas.

O Afeganistão é um dos países mais perigosos do mundo para jornalistas. Pelo menos 53 pessoas foram mortas desde 2001, segundo o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

Nos últimos meses, jornalistas se tornaram alvos de ataques dirigidos contra membros da sociedade civil que o governo anterior atribuiu ao Talibã.

Shabnam Dawran, apresentadora da rede pública de televisão RTA, disse na semana passada que não tinha permissão para trabalhar porque, disseram a ela, "o sistema mudou".

Muitos jornalistas afegãos fugiram do país em voos de evacuação ou estão escondidos.

Bilal Sarwary, um veterano do jornalismo e ex-correspondente da BBC, deixou o país no domingo, considerando que a situação era incontrolável.

"Um dia trágico em minha vida", escreveu ele no Twitter, "eles acabaram com meus sonhos e aspirações", acrescentou.

Twitter


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade