UAI
Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Vírus mortal volta a ser detectado na África

Transmitido por morcegos, agente patológico conhecido por Marburg provoca o 1º óbito na área ocidental do continente


11/08/2021 04:00 - atualizado 11/08/2021 00:07

Cientistas colhem amostras de sangue e órgãos de morcegos para procurar anticorpos do vírus de Marburg, durante surto em Uganda, em 2007(foto: Christopher Black/AFP - 23/8/07)
Cientistas colhem amostras de sangue e órgãos de morcegos para procurar anticorpos do vírus de Marburg, durante surto em Uganda, em 2007 (foto: Christopher Black/AFP - 23/8/07)

Foi confirmada na República de Guiné a primeira morte na África Ocidental causada pelo vírus de Marburg, que provoca febre hemorrágica. O aparecimento do vírus foi constatado em um paciente na semana passada. O infectado vivia na mesma região atingida por um surto de ebola no começo do ano, que causou 12 mortes e já foi controlado, conforme informa a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A doença é transmitida às pessoas por morcegos frugívoros (que se alimentam basicamente de frutas) e, entre os seres humanos, é disseminada por contato com fluidos corporais de pessoas infectadas, superfícies e materiais contaminados.

O agente patológico que causa a infecção de Marburg é da mesma família que provoca o ebola e também originário da mesma área geográfica, o continente africano. No paralelo com o Brasil, o Marburg se aproxima da febre amarela, todas essas doenças do grupo das doenças hemorrágicas, como ensina o epidemiologista do Hermes Pardini e professor na Faculdade da Saúde e Ecologia Humana (Faseh), José Geraldo Leite Ribeiro.

A doença é altamente contagiosa e tem elevada taxa de mortalidade (esses índices variaram entre 24% e 88% em surtos anteriores, dependendo da cepa do vírus e do manejo do caso). Não existem vacinas ou tratamentos antivirais, apenas tratamentos específicos que podem aumentar a chance de sobrevivência dos doentes.

No entanto, como explica José Geraldo, o conhecimento que se tem sobre a infecção permite observar que os surtos são restritos a determinadas regiões, não têm potencial de se espalhar rapidamente, mesmo porque as formas de transmissão são extremamente específicas e a proliferação não é tão fácil de acontecer. "Quando surgiu, no último quarto do século passado, entre europeus, na verdade eram investigadores que foram à África pesquisar sobre a doença e voltaram aos seus países infectados. É, como chamamos, um vírus emergente, pouco conhecido. A maior preocupação quanto ao Marburg é que causa quadros graves de saúde", diz o epidemiologista, e tranquiliza: "Não há risco de pandemia."

RASTREAMENTO 

Com a identificação do caso em Guiné, agora as autoridades em saúde buscam detectar as pessoas que eventualmente tenham entrado em contato com o homem que morreu. Até o momento, foram mapeados quatro contatos de alto risco, entre eles um profissional de saúde, e outros 146 que poderiam estar em perigo. Também começa uma campanha pública para auxiliar na contenção da doença no país, para onde já foi uma equipe da OMS, com o objetivo de investigar o caso e ajudar em uma resposta de emergência. Na equipe, estão 10  epidemiologistas e socioantropólogos.

A vigilância transfronteiriça foi reforçada, para detectar eventuais casos, e os países vizinhos estão em atenção. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou no Twitter para a necessidade de "um esforço conjunto visando a evitar a transmissão e proteger as comunidades". A OMS considera alta a ameaça nos níveis nacional e regional e baixa em âmbito global.

A febre hemorrágica no paciente em Guiné, residente na cidade de Guéckédou, no Sul do país, foi observada depois da retirada de amostras do vírus. A vítima morreu no último dia 2 e os primeiros sintomas apareceram em 25 de julho, de acordo com a OMS.

SINTOMAS 

Entre os sintomas do Marburg, manifestações similares ao que acontece com o ebola, como febre, fraqueza e fortes dores de cabeça, em um primeiro momento, e, em uma evolução mais grave, sangramento interno ou externo, falência de órgãos e morte.

O vírus de Marburg foi identificado em 1967. À época, 31 pessoas ficaram doentes na Alemanha e na Iugoslávia e o surto acabou sendo rastreado em macacos de laboratório importados de Uganda. De lá para cá, apareceu em períodos esporádicos, com somente 12 registros de surtos, muitos que envolveram o diagnóstico de apenas um caso.Até hoje, os surtos atingiram localidades como a República Democrática do Congo, Angola, Quênia, África do Sul e Uganda. Em 2005, em Angola, com a morte de mais de 200 pessoas, aconteceu o último grande surto. Guéckédou é a mesma cidade onde os primeiros casos desse vírus foram detectados no oeste da África, entre 2014 e 2016.



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade