Publicidade

Estado de Minas LOS ANGELES

'O Esquadrão Suicida' busca redenção para seu diretor e supervilões da DC


04/08/2021 15:26

Quando James Gunn foi convidado para dirigir um novo filme de super-heróis para a DC, ao invés de ícones como Superman, Batman ou Mulher Maravilha, o cineasta optou pelo grupo de vilões conhecido como "O Esquadrão Suicida".

Gunn traz figuras conhecidas como Harley Quinn, interpretada por Margot Robbie, nesta espécie de continuação da produção homônima de 2016 que uniu anti-heróis que buscavam reduzir suas sentenças de prisão em missões mortais do governo dos Estados Unidos.

Mas o diretor apresenta neste novo filme novos personagens como o Polka-Dot Man (Homem das Bolinhas ou Bolinha no Brasil).

"Pegar um personagem como este e colocar meu coração nele foi divertido para mim", disse o diretor em recente evento virtual com a imprensa para divulgar o filme que estreia nesta quinta-feira em Argentina, México e outros cinemas latino-americanos e na sexta-feira nos Estados Unidos e na Espanha.

A maneira de Gunn definir seu grupo de anti-heróis a princípio levantou dúvidas entre alguns executivos da Warner Bros.

Mas o sucesso do primeiro filme sugere que mergulhar no mundo dos quadrinhos para encontrar personagens menos famosos não é ruim.

O "Esquadrão Suicida" original superou as críticas pouco entusiasmadas ao arrecadar quase 750 milhões de dólares em bilheteria em todo o mundo.

Como na primeira produção, "O Esquadrão Suicida" tem sua cota de atores famosos.

Will Smith e Jared Leto não voltaram ao elenco. Mas estão presentes nomes como John Cena, Idris Elba e Sylvester Stallone, que dá voz a Tubarão-Rei (King Shark), metade homem, metade tubarão.

Para Elba, que interpreta Bloodsport, "um personagem que não tinha uma personalidade definida", os atores ganharam mais liberdade.

A produção assume riscos mas também aposta na redenção de seu diretor.

Gunn, o roteirista e diretor cult que escreveu a versão de 2004 para Zack Snyder de "Madrugada dos Mortos" (Dawn of the Dead), esteve à frente do sucesso da Marvel "Guardiões da Galáxia"(Guardians of the Galaxy).

Mas ele foi demitido em 2018 pela Disney, a empresa-matriz, quando surgiram antigos tuítes, nos quais ele fazia piadas sobre temas como Holocausto, estupro e aids.

Warner procurou Gunn para trabalhar nos filmes de super-heróis da DC, concorrente da Marvel.

Depois de se desculpar e receber o apoio de outros colegas de Hollywood, como Chris Pratt, Gunn está de volta à Marvel e deve dirigir também a terceira parte de "Guardiões da Galáxia", prevista para 2023.

THE NEW YORK TIMES COMPANY

THE WALT DISNEY COMPANY

TIME WARNER INC.

GOOGLE


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade