Publicidade

Estado de Minas LONDRES

Boris Johnson recebe novos ataques de ex-assessor


20/07/2021 13:01 - atualizado 20/07/2021 13:16

Dominic Cummings, o polêmico ex-assessor especial de Boris Johnson, fez nesta terça-feira (20) um novo ataque ao primeiro-ministro britânico, ao afirmar que ele não queria decretar o segundo confinamento no ano passado, porque as vítimas fatais da covid-19 tinham mais de 80 anos.

Cummings, que deixou o cargo de maneira repentina em novembro depois de ter sido um dos homens mais poderosos e temidos de Downing Street, concedeu uma longa entrevista à rede BBC, que será exibida na terça-feira à noite.

Há alguns meses, ele lançou um feroz ataque contra Johnson em seu blog, ao chamar o primeiro-ministro de inepto na gestão da pandemia. Ele detalhou suas acusações em sete horas de audiências em uma comissão parlamentar em maio deste ano.

Agora, em um trecho da entrevista exibido de maneira antecipada, ele afirma que, no outono do ano passado (primavera no Brasil), Johnson resistiu a seguir o conselho dos cientistas de ordenar um segundo confinamento nacional, porque considerava que "os confinamentos não funcionam".

E argumentou que "as pessoas que estão morrendo são todas essencialmente acima de 80 anos, e não se pode matar a economia apenas porque as pessoas com mais de 80 anos estão morrendo".

O ex-assessor cita mensagens de WhatsApp de seu ex-chefe, nas quais ele afirma que a idade média das vítimas de covid-19, "82-81 anos para os homens, 85 para as mulheres", estava "acima da expectativa de vida".

Johnson acabou ordenando um segundo confinamento de quatro semanas em novembro passado, seguido de um terceiro de mais de três meses em janeiro deste ano, devido à explosão de casos provocados pela variante Alfa.

Cummings afirma ainda que o primeiro-ministro queria fazer a visita semanal à rainha Elizabeth II, de 95 anos, em 18 de março de 2020, cinco dias antes do primeiro confinamento, apesar de o governo ter recomendado evitar o contato com os idosos.

"Eu disse: 'há pessoas neste gabinete que estão em quarentena, você pode ter o coronavírus, eu posso ter o coronavírus, não pode encontrar a rainha'", relatou Cummings à BBC.

"Eu disse: 'se você infectá-la com o coronavírus e ela morrer, o que... Você não pode fazer isso, não pode correr esse risco, é uma insanidade completa'", completou.

Johnson teve covid-19 no fim de março de 2020 e ficou internado por três dias na UTI, onde disse ter temido por sua vida.

Quando jornalistas o questionaram nesta terça-feira se o relato de Cummings é verdade, o porta-voz de Downing Street respondeu enfaticamente que "não" e insistiu que Johnson "foi guiado pelos melhores assessores científicos" durante toda a pandemia.

"O primeiro-ministro teve que tomar algumas decisões realmente difíceis", disse o ministro de Empresas, Paul Scully, à BBC.

O Palácio de Buckingham se recusou a fazer comentários.

Twitter


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade