Publicidade

Estado de Minas LIMA

Keiko Fujimori pede auditoria internacional para revisar eleições no Peru


28/06/2021 17:24

A candidata da direita Keiko Fujimori pediu nesta segunda-feira (28) ao presidente do Peru, Francisco Sagasti, que peça uma auditoria internacional sobre o segundo turno das eleições presidenciais de 6 de junho, alegando irregularidades na apuração, cujo resultado final favorece seu adversário, Pedro Castillo (esquerda).

"O pedido que se faz ao presidente é para um chamado de especialistas internacionais, como se fez na Bolívia", disse Fujimori a jornalistas após entregar uma carta com seu pedido na sede do Executivo peruano.

A candidata leu em seguida o conteúdo da carta, onde expressa a Sagasti que "requisite junto a organismos internacionais a realização de uma auditoria eleitoral".

O objetivo é que "uma entidade independente possa revisar os colégios eleitorais, as atas de votação, a lista de eleitores, o sistema informático usado, entre outros, e determine se os resultados processados e contabilizados pela Organização de Processos Eleitorais (ONPE) representam o reflexo fiel da vontade popular".

O fujimorismo alega uma suposta fraude nas eleições, mas observadores da OEA, dos Estados Unidos e da União Europeia disseram que as eleições foram limpas e apoiaram o trabalho da ONPE e do Júri Nacional Eleitoral (JNE).

Aliados da candidata afirmam que têm a esperança de concretizar a auditoria através da OEA. No entanto, fontes diplomáticas consultadas pela AFP informaram que os autorizados para pedir isso à OEA são "o Poder Executivo do Peru ou o JNE, não um grupo de cidadãos".

A apuração do órgão eleitoral (ONPE), que alcançou 100% há duas semanas, deu a Castillo 50,12% dos votos contra 49,87% para Fujimori, superando-a por 44.000 votos.

O Peru vive uma tensão permanente há três semanas porque ainda falta ao JNE terminar de revisar as impugnações de milhares de votos apresentadas por Fujimori antes de proclamar o vencedor.

"Queremos saber a verdade, não somos a favor de nenhum candidato (...) Queremos que venha uma auditoria da OEA", disse no fim de semana o legislador eleito e almirante reformado Jorge Montoya, um aliado que apoia seu pedido.

O relatório da auditoria da OEA sobre as eleições de 2019 na Bolívia concluiu que houve "manipulação dolosa".

Os fujimoristas iniciaram suas reivindicações no terceiro dia da apuração, quando o esquerdista Castillo reverteu a vantagem inicial que tinha sua candidata até aquele momento.

Nas manifestações, os simpatizantes de Fujimori pedem "novas eleições", enquanto os seguidores de Castillo exigem que ele seja proclamado vencedor.

Twitter

IPSOS


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade