Publicidade

Estado de Minas NAÇÕES UNIDAS

Massacre de Burkina Faso foi realizado por crianças, diz embaixadora dos EUA na ONU


28/06/2021 15:54

A maioria dos jihadistas que realizaram um massacre em Burkina Faso no início deste mês eram crianças, declarou a embaixadora dos EUA nas Nações Unidas na segunda-feira (28), pedindo uma ação contra o uso de crianças na guerra.

"As crianças contarão histórias que nenhuma criança deveria ser capaz de contar", disse a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Linda Thomas-Greenfield, em videoconferência com outros chefes de Estado sobre crianças e conflitos.

"De ser recrutado sob a mira de uma arma. De ser estuprado. De ser forçado a matar seus próprios irmãos, seus próprios pais", disse ela.

"Essas crianças geralmente não são mais altas do que as armas que carregam. Elas são ensinadas a cometer crimes de guerra antes mesmo de saberem contar".

Em 5 de junho, um grupo armado matou pelo menos 132 pessoas em ataques noturnos em Solhan, uma cidade na empobrecida região do Sahel perto da fronteira com Mali e Níger, o ataque mais mortal desde que a violência islâmica atingiu esse país da África Ocidental em 2015.

Fontes locais elevam o número para 160 mortos, incluindo 20 crianças.

"Esse grupo armado? Principalmente meninos de 12 a 14 anos", disse Thomas-Greenfield na conferência. "Crianças matando crianças", completou.

O porta-voz do governo de Burkina Faso, Ousseni Tamboura, disse na semana passada que crianças estavam envolvidas no ataque, mas não disse que elas constituíam a maioria do grupo.

Ele disse que suas informações foram baseadas em dados de suspeitos presos antes do massacre.

Thomas-Greenfield argumentou que a revelação foi apenas um exemplo horrível do uso de crianças como soldados em conflitos.

O presidente da Estônia, Kersti Kaljulaid, que é o atual presidente do Conselho de Segurança e abriu a sessão nesta segunda-feira, também condenou o uso de crianças na guerra.

Em 2020, "a situação das crianças em conflito armado foi marcada por um número elevado e contínuo de violações graves" declarou.

"As crianças são um alvo mais fácil, por exemplo, para serem recrutadas por grupos armados, ou para serem casadas, sequestradas ou estupradas", completou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade