Publicidade

Estado de Minas PUNTA ARENAS

Magallanes, no extremo sul do Chile, alcança imunidade de rebanho


25/06/2021 16:19

Leitos em unidades de terapia intensiva foram desocupados, testes positivos caíram e a população saiu de um ciclo de longos confinamentos. Em Magallanes, região mais ao sul do Chile, o alívio por ter vacinado mais de 80% de sua população-alvo contra a covid-19 e por ser o "farol" do país para a imunidade coletiva.

Autoridades locais e de saúde comemoram esta semana, em pleno inverno, o alcance dessa meta na região, onde 141.030 pessoas de uma população de mais de 170 mil completaram o esquema de duas doses de vacinação. Mas depois de meses complexos, o alívio é tomado com cautela.

"Não é para cantar vitória, temos que continuar insistindo nas ferramentas de precaução", disse à AFP Isabel Iduya, diretora médica adjunta do Hospital Clínico Magallanes em Punta Arenas. "Mas sem dúvida estamos em uma situação que nos permite ser otimistas e dar crédito à vacina".

Embora o imunizante mais utilizado em seu plano de vacinação bem-sucedido, o do laboratório chinês Sinovac, é um dos menos eficazes na prevenção de infecções, nas últimas semanas os índices de casos graves e de mortalidade foram reduzidos.

No entanto, o sistema nacional de saúde continua sob alta pressão, com mais de 95% dos leitos críticos ocupados. E neste cenário, Magalhães, o último ponto continental do Chile, é um farol de esperança.

Segundo o Ministério da Saúde, "81,46% receberam duas doses, e são vistos efeitos positivos".

"Precisamos continuar ampliando a vacinação para todos. Agora tivemos uma excelente resposta dos jovens ao chamado para se vacinar, e continuar usando máscaras, porque ainda temos os dois meses mais fortes do inverno", avisa a médica de Iduya, quando o primeiro caso da covid-19 com a variante Delta foi confirmado no Chile.

Nenhuma das comunas (municípios) desta região está hoje em quarentena estrita e esta semana os novos casos foram os mais baixos desde o início da pandemia.

Em Magallanes, confiam que a vacinação de adolescentes menores de 18 anos, já iniciada, e a autorização para inocular crianças vão melhorar as perspectivas.

Há um ano, a região transferia pacientes em aviões medicalizados para outras regiões porque não tinham leitos. Desde abril, isso tem sido impossível porque todo o Chile sofreu a pandemia simultaneamente.

Essa remota região continental, cujo abastecimento tem as complexidades de uma ilha, conseguiu durante o ano triplicar sua capacidade de leitos e ter laboratórios para processar PCR, algo que antes não existiam.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade