Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Executado por erro? Filme quer que Biden atue contra a pena de morte


21/06/2021 13:27

Carlos DeLuna morreu por injeção letal no Texas em 1989. Agora, Patrick Forbes espera que seu documentário "The Phantom" leve o presidente americano, o democrata Joe Biden, a agir contra a pena de morte graças a uma mensagem poderosa: "Um homem inocente foi executado".

O longa-metragem, que será lançado em 2 de julho, analisa em detalhes a morte de Wanda López, esfaqueada até a morte em uma noite de fevereiro de 1983, enquanto trabalhava como caixa em um posto de gasolina em Corpus Christi, Texas, no sul dos Estados Unidos.

Pouco antes de morrer, a jovem chamou a polícia para descrever um homem suspeito.

Este documentário, uma reconstrução meticulosa e arrepiante do crime, começa com uma gravação das últimas palavras de López: "Você quer? Eu te dou. Eu te dou. Não vou fazer nada. Por favor!"

A polícia, que chegou tarde demais para salvar López, saiu em busca de um homem que testemunhas viram fugir a pé. Quarenta minutos depois, DeLuna, um jovem de 20 anos com um longo histórico criminal, foi preso. Estava escondido embaixo de um carro.

Convencidos de que haviam encontrado o assassino de López, os investigadores encerraram a busca, mesmo quando DeLuna alegou inocência e que não encontraram nenhum vestígio de sangue.

Durante o julgamento, DeLuna alegou que havia fugido por medo de ser acusado e que, de fato, conhecia o culpado: um certo Carlos Hernández a quem conhecera na prisão.

No entanto, quando os investigadores mostraram a ele fotos de homens com esse nome, DeLuna não conseguiu identificar Carlos Hernández. Algumas mentiras que ele contou durante o julgamento minaram ainda mais sua credibilidade.

O promotor insistiu que Carlos Hernández era um "fantasma" fruto da imaginação de DeLuna, que foi considerado culpado e posteriormente condenado à morte. Depois que todos os seus recursos falharam, DeLuna foi executado em 17 de dezembro de 1989.

A partir de então, "a verdade foi aparecendo lentamente", disse Forbes, cineasta britânico que em 2011 fez "True Stories: WikiLeaks - Secrets and Lies".

Em 2004, intrigado com o caso, um professor de direito da Universidade de Columbia, James Liebman, iniciou sua própria investigação com a ajuda de seus alunos e de um detetive particular.

Eles rapidamente descobriram que Carlos Hernández era uma pessoa real. Ele morreu na prisão em 1999 enquanto cumpria pena por agredir uma mulher com uma faca, uma das várias vezes em que foi preso enquanto portava uma faca. E ele também tinha uma semelhança física incrível com DeLuna.

Em 2012, Liebman e seus alunos publicaram um artigo muito detalhado em uma respeitada revista de direito, que mais tarde se tornaria a base para o filme da Forbes.

Forbes insistiu, no entanto, que ele iniciou seu projeto sem qualquer opinião preconcebida sobre o caso. "Este filme teria falhas fatais, se fosse puramente propaganda contra a pena de morte", declarou.

Metodicamente, Forbes rastreou figuras-chave do caso, não apenas policiais, promotores, advogados e testemunhas, mas também algumas das mulheres vítimas da violência de Hernández que, anos depois, permanecem traumatizadas.

Uma delas disse à Forbes que Hernández se gabou de ter matado Wanda López e escapado graças a seu "homônimo".

Forbes acha que descobriu a verdade: "É horrível, mas é muito humano: as pessoas cometem erros". E, neste caso, "todos os erros que poderiam ter sido cometidos foram cometidos".

Mas, segundo ele, fazem parte de um sistema jurídico que não dá oportunidades iguais aos pobres e às minorias.

"O autor deste crime era um hispânico pobre, o inocente executado era um pobre hispânico, nenhum deles seria tratado com justiça", afirmou.

Forbes espera que seu filme não apenas ajude, tardiamente, a limpar o nome de DeLuna, mas também crie uma mudança maior.

É por isso que ele concordou que "The Phantom" fosse usado em apoio a uma petição exigindo que Biden comute as sentenças de morte de todos os presos em penitenciárias federais.

Durante as primárias democratas no ano passado, Biden disse que se opunha à pena de morte.

Mas desde que assumiu o cargo em janeiro, ele não tomou uma decisão sobre o assunto.

E o Departamento de Justiça recentemente defendeu a pena de morte para um dos dois homens por trás do atentado à bomba na Maratona de Boston em 2013.

Forbes espera que colocar os holofotes no caso DeLuna leve Biden a agir. "Não seria ótimo?", ele se pergunta, "se este filme realmente resultasse em alguma mudança concreta?"


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade