Publicidade

Estado de Minas GENEBRA

Suíça condena ex-chefe militar rebelde liberiano a 20 anos de prisão por crimes de guerra


18/06/2021 11:11

Um tribunal suíço condenou nesta sexta-feira (18) um ex-chefe militar rebelde liberiano a 20 anos de prisão por crimes de guerra cometidos durante o conflito no país africano, o que faz dele a primeira pessoa considerada culpada pelos crimes cometidos nesta guerra civil.

O Tribunal Penal Federal suíço declarou Alieu Kosiah, de 46 anos, culpado de múltiplas atrocidades, em particular assassinatos, estupros e o uso de meninos soldados, durante a primeira das duas guerras civis na Libéria, que deixaram quase 250.000 mortos entre 1989 e 2003.

A sentença do tribunal suíço é a primeira contra um liberiano por crimes de guerra cometidos durante o conflito.

Kosiah, que negou as acusações, foi acusado de cometer crimes de guerra quando era comandante do grupo armado Movimento Unido de Libertação da Libéria pela Democracia (ULIMO).

Ele foi declarado culpado de 21 das 25 acusações, incluindo ordenar ou participar no assassinato de 17 civis e de dois soldados desarmados.

Também foi considerado culpado de estupro, de utilizar um menino soldado, de ordenar saques e de infligir repetidamente tratamentos cruéis, desumanos e degradantes a civis.

Ele foi condenado a 20 anos de prisão - ele já passou mais de seis anos e meio detido.

O tribunal também ordenou sua expulsão do território suíço durante 15 anos.

Quando o processo começou em dezembro, Kosiah era o primeiro liberiano a enfrentar um julgamento por supostos crimes de guerra cometidos durante a primeira guerra civil do país, de 1989 a 1996, segundo a Human Rights Watch.

O ex-senhor da guerra que virou presidente da Libéria, Charles Taylor, foi condenado em 2012 por crimes de guerra e crimes contra a humanidade, mas pelas atrocidades cometidas na vizinha Serra Leoa, não em seu próprio país.

As duas guerras civis da Libéria foram marcadas por vários massacres, cometidos por combatentes com frequência drogados, mutilações e violência sexual utilizada como arma.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade