Publicidade

Estado de Minas PARIS

Ex-presidente francês Sarkozy nega gastos excessivos em sua campanha de 2012


15/06/2021 14:20 - atualizado 15/06/2021 14:28

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy negou nesta terça-feira (15) perante o tribunal correcional de Paris ter feito despesas excessivas em sua campanha perdida em 2012, no marci de um processo iniciado há três semanas.

Os promotores afirmam que os contadores alertaram Sarkozy que ele estava prestes a ultrapassar o teto de gasto de 22,5 milhões de euros (26,7 milhões de dólares), mas que ele insistiu em fazer mais atos de campanha para tentar ganhar de sua rival socialista, que acabou vencendo, François Hollande.

Mas o presidente nega as acusações. "Gostaria que alguém me explicasse por que fiz mais campanha em 2012 do que em 2007. É falso!", afirmou Sarkozy. "É uma história", insistiu o ex-presidente no início de seu interrogatório.

Com uma máscara preta e uma camisa branca, ele entrou na sala com a expressão assustada e se sentou junto aos seus co-acusados para seu interrogatório.

Sarkozy ainda não havia comparecido a nenhuma das audiências desde o início desse julgamento em 20 de maio, no qual foi representado pelo seu advogado, Thierry Herzog.

Os outros treze acusados são ex-diretores da Bygmalion (o nome da agência de eventos vinculada ao partido político de Sarkozy) e ex-responsáveis do partido UMP (agora Os Republicanos), entre eles o diretor de campanha e vários contadores.

Todos são suspeitos de estarem envolvidos em maior ou menor grau em um sistema de faturamento duplo pensado para ocultar o aumento exponencial dos gastos autorizados durante essa campanha presidencial.

Nicolas Sarkozy, presidente de 2007 a 2012, enfrenta um ano de prisão e uma multa de 3.750 euros (4.500 dólares).

Embora a acusação considere que a investigação "não estabeleu" que Sarkozy ordenou, participou ou mesmo teve conhecimento desse sistema, considera que permitiu que os gastos aumentassem incontrolavemente apesar de vários avisos e, portanto, se beneficiou "sem dúvida" da fraude.

Em relação à organização, o ex-chefe de Estado explicou que a diferença de 2012, quando foi organizada pelo seu então partido, cinco anos depois, havia sua "equipe de campanha liderada por Guillaume Lambert (também acusado) e, por outro lado, a UMP".

No início de março, Sarkozy se tornou o primeiro ex-presidente da V República condenado à prisão: o Tribunal Penal de Paris impôs três anos de prisão, dois deles em sursis, por corrupção e tráfico de influências. Ele recorreu da sentença.

O julgamento deve durar até 22 de junho.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade