Publicidade

Estado de Minas ENNISKILLEN

Integridade do Reino Unido "não é negociável", afirma chanceler britânico sobre o Brexit


11/06/2021 10:57 - atualizado 11/06/2021 11:02

A integridade do Reino Unido "não é negociável", afirmou nesta sexta-feira (11) o ministro britânico das Relações Exteriores, Dominic Raab, em referência à difícil situação pós-Brexit na Irlanda do Norte, que provoca tensões com a União Europeia (UE).

"Não negociamos com a integridade do Reino Unido. Seja territorial, constitucional ou econômica, não está sobre a mesa, não é algo negociável", disse Raab ao canal Sky News, em uma referência a declarações do presidente francês, Emmanuel Macron.

Na quinta-feira, o chefe de Estado francês se recusou a negociar os dispositivos do acordo de divórcio assinado entre os 27 e o Reino Unido sobre a Irlanda do Norte, província britânica que compartilha ilha com a Irlanda, que continua sendo um país membro da UE.

O presidente francês considerou que "não era sério querer revisar em julho o que foi concluído após três anos de discussões e de trabalho".

Londres acusa a UE de adotar uma "abordagem muito purista" a respeito da aplicação dos dispositivos alfandegários específicos na Irlanda do Norte e que geram tensões nesta província britânica.

Estas medidas, negociadas no âmbito do acordo do Brexit assinado pelo governo do primeiro-ministro Boris Johnson, dificultam o comércio entre Irlanda do Norte e a ilha da Grã-Bretanha e geram descontentamento entre os unionistas leais ao Reino Unido.

"Eu penso que a bola está no campo da UE", completou o ministro britânico das Relações Exteriores, que pediu à Comissão Europeia "um enfoque mais pragmático e flexível".

A questão estava na agenda do primeiro encontro, na quinta-feira, entre o presidente americano, Joe Biden, apegado a suas raízes irlandesas, e Boris Johnson.

Em uma reunião nesta sexta-feira do Conselho Britânico-Irlandês, que inclui os governos do Reino Unido e Irlanda, na localidade norte-irlandesa de Enniskillen, o primeiro-ministro irlandês, Micheal Martin, celebrou a intervenção de Biden e afirmou que "existe a vontade política na União Europeia de resolver este assunto".

Mas o novo líder do Partido Unionista Democrático (DUP), Edwin Poots, pediu que o protocolo seja completamente descartado, pois não o considera viável. "Tem que desaparecer", disse.

Os líderes da UE abordarão o tema no sábado durante um encontro com o primeiro-ministro britânico, que acontecerá de maneira paralela à reunião de cúpula do G7 na Inglaterra.

O Acordo da Sexta-Feira Santa de 1998 acabou com a violência entre republicanos católicos e unionistas protestantes, que deixou quase 3.500 mortos em 30 anos de conflito na Irlanda do Norte.

"Todos queremos (...) preservar o Acordo da Sexta-Feira Santa e assegurar que mantemos o equilíbrio do processo de paz", afirmou na quinta-feira Johnson, antes de se declarar "otimista" de que os dois lados conseguirão.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade