Publicidade

Estado de Minas ESTRASBURGO

Chefe da diplomacia da UE defende acordo com Cuba no Parlamento


08/06/2021 14:40

O chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, defendeu nesta terça-feira(8) perante o Parlamento Europeu a ratificação e implementação do acordo de diálogo político com Cuba, aplicado provisoriamente desde novembro de 2017.

O acordo "criou novos espaços para a participação da sociedade civil cubana", disse Borrell, acrescentando que "não consigo pensar em um instrumento melhor", pois define "uma política de engajamento crítico com o país".

O instrumento "nos permite acompanhar o país nas reformas políticas, econômicas e sociais", afirmou. "Embora eu saiba que vários legisladores têm sérias reservas e relutância [sobre o acordo], quero aproveitar esta oportunidade para defendê-lo", insistiu.

A ratificação plena do acordo depende do voto solitário da Lituânia, pois já recebeu luz verde dos poderes legislativos dos demais países do bloco.

Em particular, Borrell lembrou a recente prisão do ativista opositor cubano Luis Manuel Otero Alcántara, que despertou viva preocupação entre os legisladores europeus.

"Estou feliz que ele tenha sido libertado. Nossos serviços estão em contato com ele desde sua libertação, ele expressou sua gratidão e nos disse que continuará seu ativismo. Continuaremos monitorando sua situação", disse Borrell.

Na sessão, realizada na sede do Parlamento Europeu, na cidade francesa de Estrasburgo, a conservadora legisladora tcheca Dita Charanzová destacou que "é necessário suspender este acordo".

Outro legislador conservador, o espanhol Gabriel Mato, afirmou que "nenhuma das expectativas foi cumprida com o acordo, ele não serviu para nada".

Já o legislador espanhol Pernando Barrena defendeu o acordo e disse que é hora de pedir aos Estados Unidos que acabem "com o injusto embargo à República de Cuba, e mais ainda em um momento de crise global de saúde".

Nesse sentido, Borrell lembrou que "a posição oficial da UE é ser contra o bloqueio dos Estados Unidos a Cuba. Não digo isso porque sou um castrista perigoso, mas porque é a posição oficial da União Europeia".

O acordo entre a UE e Cuba estabelece um mecanismo contínuo de diálogo para "fortalecer os direitos humanos e a democracia", bem como critérios de cooperação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade