Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Fauci pede que China compartilhe histórias clínicas de pesquisadores doentes em Wuhan


04/06/2021 12:47

O assessor médico da Casa Branca, Anthony Fauci, pediu à China para compartilhar as histórias clínicas de nove pessoas que tiveram uma doença semelhante ao coronavírus antes do início da pandemia, e disse que elas podem ajudar a determinar se o vírus surgiu de um laboratório.

A teoria da fuga de laboratório ganhou força nas últimas semanas após informações de que seis mineradores teriam ficado doentes em 2012 e três pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan foram hospitalizados em novembro de 2019 com sintomas compatíveis com a covid-19 - embora também sejam compatíveis com os de uma "infecção sazonal"-, após visitarem uma caverna com morcegos na província chinesa de Yunnan.

Em uma entrevista publicada na quinta-feira no Financial Times, Fauci disse que esses registros médicos poderiam responder perguntas cruciais sobre as origens da covid-19 em Wuhan, onde começou a pandemia que matou mais de 3,6 milhões de pessoas no mundo.

"Gostaria de ver as histórias clínicas das três pessoas que, segundo os relatórios, ficaram doentes em 2019", disse o imunologista. "Realmente ficaram doentes? E, se ficaram doentes, foi com o quê?".

Fauci afirmou que é "totalmente concebível que a origem da covid-19 esteja nessa caverna" visitada pela equipe de especialistas, e que "tenha começado a se espalhar naturalmente ou tenha passado pelo laboratório".

Em maio, ele afirmou que embora muitos especialistas acreditem que é "mais provável" que o vírus seja "um evento natural", não há "100% de certeza".

A China, que tenta ferozmente descartar a hipótese do laboratório, acusou Washington de espalhar "teorias da conspiração" e negou informações sobre a hospitalização de pesquisadores em Wuhan publicadas pela imprensa americana.

A tese da origem natural, considerada a mais provável por um estudo conjunto de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) e chineses que visitaram Wuhan no início deste ano, afirma que o vírus apareceu em morcegos antes de ser transmitido aos humanos, provavelmente via outro animal.

Nesta sexta-feira, o ministério chinês das Relações Exteriores se baseou nas descobertas dessa equipe para rejeitar as declarações de Fauci, citando afirmações infundadas de que o vírus apareceu pela primeira vez no laboratório militar americano em Fort Detrick.

Consultado sobre a possibilidade de que Pequim compartilhe os registros médicos, o porta-voz do ministério, Wang Wenbin, recorreu a uma declaração do Instituto de Virologia de Wuhan de março.

"Esperamos que as pessoas que não acreditam em teorias da conspiração, que respeitam os fatos e a verdade, possam encontrar respostas factuais nesta declaração", disse Wang.

Na semana passada, o presidente americano Joe Biden pediu aos serviços de inteligência dos Estados Unidos que elaborassem um relatório em um prazo de 90 dias sobre a origem da covid-19.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade