Publicidade

Estado de Minas ABIDJAN

Ex-presidente da Costa do Marfim absolvido de crimes contra a Humanidade retorna sem revanchismo


01/06/2021 13:41

O ex-presidente da Costa do Marfim Laurent Gbagbo, absolvido das acusações de crimes contra a Humanidade, retornará ao seu país no dia 17 de junho sem espírito de vingança e com o objetivo de defender uma política de "reconciliação nacional", afirmam seus familiares.

O regresso, esperado pelos apoiadores do ex-presidente desde a sua absolvição pela justiça internacional no final de março, foi anunciado na noite de segunda-feira por Assoa Adou, secretário-geral do seu partido, a Frente Popular da Costa do Marfim (FPI).

Um retorno que não foi confirmado nem negado nesta terça-feira pelo governo e pelo partido no poder, Reunião dos Partidários de Houphouët pela Democracia e Paz (RHDP).

Antes de anunciar a data de chegada de Laurent Gbagbo a Abidjan, numa cerimônia organizada para celebrar os seus 76 anos, Assoa Adou garantiu que "a fase que iniciaremos" com o regresso "é importante para o futuro da Costa do Marfim, pois é a fase da reconciliação, da paz, da reconstrução do nosso país".

Citado pelo jornal Le Temps, Stéphane Kipré, genro do ex-presidente, afirma que "não vem com espírito de vingança, mas a favor da reconciliação. Que ninguém tenha medo".

Gbagbo foi preso em 11 de abril de 2011 em Abidjan após ter questionado a vitória de Alassane Ouattara nas eleições presidenciais de 2010. Sua recusa em admitir a derrota levou a uma grave crise que causou cerca de 3.000 mortes.

Por esses atos de violência, Gbagbo foi inicialmente preso no norte da Costa do Marfim, depois transferido no final de 2011 para o Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia, que o absolveu após um longo processo.

As modalidades da recepção de Laurent Gbagbo permanecem pouco claras e embora os simpatizantes queiram "uma recepção triunfante", o governo defende a discrição para evitar possíveis aglomerações de dezenas de milhares de pessoas.

Acusado de querer minimizar o impacto desse retorno, o partido no poder negou que seja esse o caso.

"Foi o presidente quem anunciou o retorno de Laurent Gbagbo. Como o partido RHDP poderia navegar contra a corrente de seu presidente? Queremos apenas que tudo corra bem", disse Adama Bictogo, diretor executivo do RHDP.

A calma mencionada por Bictogo é perceptível há vários meses na Costa do Marfim, depois dos últimos atos de violência relacionados com as eleições presidenciais de outubro de 2020.

Alassane Ouattara foi reeleito para um polêmico terceiro mandato em uma eleição presidencial boicotada pela oposição, que considerou o novo mandato inconstitucional.

A eleição provocou uma crise eleitoral que causou 100 mortos e 500 feridos entre agosto e novembro de 2020.

Mas depois destes atos de violência, os gestos de apaziguamento, em nome da "reconciliação nacional", aumentaram com a libertação dos presos detidos durante aquela última crise eleitoral.

E, ao contrário das eleições anteriores, as últimas eleições legislativas de março foram realizadas de forma tranquila e os principais partidos da oposição participaram, em particular o FPI de Gbagbo, que boicotou todas as eleições dos últimos 10 anos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade