Publicidade

Estado de Minas ROMA

Indignação na Itália por libertação de assassino do juiz antimáfia Falcone


01/06/2021 09:54

A libertação antecipada de Giovanni Brusca, condenado, entre outros crimes, pelo assassinato em 1992 do famoso juiz siciliano antimáfia Giovanni Falcone, causou indignação nesta terça-feira (1º) na Itália, onde a notícia apareceu na primeira página de todos os jornais.

Giovanni Brusca, de 64 anos, foi libertado na segunda-feira por bom comportamento na prisão romana de Rebibbia, depois de passar 25 anos atrás das grades, tempo durante o qual aceitou colaborar com as autoridades.

Segundo as leis italianas, ele deverá permanecer em liberdade condicional durante os próximos quatro anos.

"Libertam Brusca, o mafioso mais cruel", afirma o jornal La Republicca.

"É uma notícia que me dói como pessoa, mas é a lei, uma lei que meu irmão quis e que é preciso respeitar", reagiu a irmã do juiz Falcone, Maria, citada pelo jornal.

A Justiça determinou que Giovanni Brusca foi a pessoa que em 1992 acionou o controle remoto que detonou a bomba que destruiu o carro do juiz nas proximidades de Palermo, causando a morte de Giovanni Falcone, sua esposa e de três guarda-costas.

A esposa de um dos guarda-costas, Tina Montinaro, manifestou nesta terça-feira sua "indignação" com a libertação de Brusca.

"Vinte e nove anos depois ainda não sabemos a verdade e (...) o homem que destruiu a minha família está livre", lamentou.

Brusca, um dos colaboradores mais próximos de Toto Riina, o temido chefe máximo da máfia siciliana Cosa Nostra, foi detido em 20 de maio de 1996.

Após ser preso, aceitou colaborar com a Justiça e depor em vários julgamentos.

Conhecido por ser um criminoso sanguinário, ele também foi condenado pelo sequestro e assassinato em 1983 do pequeno Giuseppe Di Matteo, o filho de 11 anos de um arrependido da máfia, que estrangulou e depois dissolveu seu corpo em ácido, um ato de vingança contra o pai do menino, que havia aceitado colaborar com a Justiça.

Sua libertação foi criticada por muitos líderes políticos, tanto de direita quanto de esquerda.

O líder do Partido Democrático (PD, centro-esquerda), Enrico Letta, a classificou como "um soco no estômago (que) te deixa sem palavras".

"Uma pessoa que cometeu esses atos, que dissolveu uma criança em ácido, que matou Falcone, na minha opinião é uma fera e não pode sair da prisão", reagiu o líder do partido de extrema direita Liga, Matteo Salvini.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade