Publicidade

Estado de Minas JERUSALÉM

Blinken anuncia apoio aos palestinos, mas adverte que Hamas não deve se beneficiar


25/05/2021 16:37 - atualizado 25/05/2021 16:38

O chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, anunciou nesta terça-feira (25) em Ramallah uma série de medidas de apoio aos palestinos após o violento ataque na Faixa de Gaza, mas alertou que esse apoio não deve beneficiar o movimento islamita Hamas.

No primeiro dia de sua visita ao Oriente Médio, na qual pretende consolidar a trégua entre Hamas e Israel, Blinken afirmou que o governo de seu país informará ao Congresso sua intenção de conceder 75 milhões de dólares aos palestinos em ajuda ao desenvolvimento econômico.

Em coletiva de imprensa após se reunir com o presidente palestino Mahmud Abas em Ramallah, Blinken afirmou que Washington também vai desembolsar 5,5 milhões de dólares para ajuda emergencial para a Faixa de Gaza (para a reconstrução) e 32 milhões de dólares à Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinos.

Mais cedo, em uma coletiva de imprensa conjunta em Jerusalém com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, Blinken já havia anunciado que Washington apoiaria os esforços internacionais para reconstruir Gaza.

"Trabalharemos estreitamente com nossos parceiros, com todos, para garantir que o Hamas não se beneficie da ajuda à reconstrução", afirmou Blinken.

Diante do chefe da diplomacia americana, que reiterou "o direito de defesa de Israel", Netanyahu advertiu que a resposta do Estado hebreu será "muito potente", caso o Hamas viole o cessar-fogo, anunciado na sexta-feira.

Antes de continuar sua visita pelo Egito e Jordânia, dois atores regionais vizinhos de Israel, Blinken anunciou que os Estados Unidos querem reabrir o consulado em Jerusalém, a representação diplomática aos palestinos que foi degradada em 2019 pelo governo de Donald Trump.

"Como disse ao primeiro-ministro (israelense) e ao presidente (palestino) Abas, os Estados Unidos querem avançar na reabertura do consulado em Jerusalém", afirmou ele em Ramallah, sede da Autoridade Palestina na Cisjordânia ocupada.

- "Muito trabalho pela frente" -

O chefe da diplomacia americana afirmou que, depois do confito em Gaza e dos distúrbios na Cisjordânia ocupada, resta "muito trabalho" para "restaurar" a confiança entre israelenses e palestinos.

"Há muito trabalho pela frente para restaurar a esperança, o respeito e alguma confiança nas comunidades", disse Blinken.

Pouco depois do cessar-fogo, o governo dos Estados Unidos expressou apoio à "solução de dois Estados", israelense e palestino, respaldada pela comunidade internacional, mas que a administração anterior de Donald Trump afastou de sua agenda.

"Continuamos a pensar que é a única maneira de realmente garantir o futuro de Israel como um estado democrático e judeu e, claro, para os palestinos alcançarem o estado a que têm direito", reafirmou Blinken em Jerusalém.

Apesar dos intensos esforços diplomáticos, as tensões persistem entre israelenses e palestinos.

- Tensões persistentes -

As forças de Israel mataram nesta terça-feira um palestino na Cisjordânia, informaram fontes das forças de segurança israelenses e palestinas.

Na segunda-feira, as forças do Estado hebreu mataram um palestino de 17 anos, autor de um ataque com faca que deixou dois feridos em Jerusalém Oriental, perto do bairro palestino de Sheikh Jarrah.

As tensões na área de Jerusalém Oriental, a parte palestina da Cidade Sagrada ocupada e anexada por Israel, foram a faísca que provocou o novo conflito violento entre Israel e Hamas.

Milhares de pessoas protestaram em Jerusalém Oriental para apoiar as famílias palestinas deste bairro ameaçadas de expulsão de suas casas, em benefício de colonos israelenses.

As tensões entre palestinos e as forças israelenses também afetaram a Esplanada das Mesquitas, terceiro local sagrado do islã. Em 10 de maio começaram os confrontos entre Hamas e Israel, que duraram 11 dias e terminaram com 253 palestinos mortos em Gaza, incluindo 66 menores de idade.

Em Israel, os lançamentos de foguetes a partir de Gaza deixaram 12 mortos, incluindo uma criança, uma adolescente e um soldado.

- Egito, mediador -

Mediador tradicional entre palestinos e israelenses, o Egito tenta consolidar o cessar-fogo, que não detalha nenhuma condição para o fim da violência nem estabelece qualquer plano para a reconstrução da Faixa de Gaza.

Uma delegação egípcia está no território palestino para negociar com o Hamas, organização que Estados Unidos e União Europeia consideram "terrorista". O chefe da diplomacia egípcia, Sameh Shoukry, foi recebido na segunda-feira em Ramallah por Abbas.

Israel, que impõe um bloqueio terrestre e marítimo ao território palestino há quase 15 anos, acusa o Hamas de ter desviado a ajuda internacional para fins militares e afirmou que deseja um "mecanismo" internacional para evitar a repetição do cenário.

O presidente americano, Joe Biden, afirmou na semana passada que estava trabalhando com a ONU para enviar ajuda humanitária para reconstruir Gaza, mas sem dar ao Hamas a "oportunidade de reconstruir seu sistema de armamento".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade