Publicidade

Estado de Minas BOGOTÁ

Quase 200 líderes dos direitos humanos foram assassinados na Colômbia em 2020


20/05/2021 15:56

Quase 200 líderes dos direitos humanos foram assassinados na Colômbia em 2020, no pior ataque contra os ativistas sociais nos últimos 11 anos, denunciou a ONG Somos Defensores nesta quinta-feira (20).

Desde o estabelecimento da paz com a guerrilha FARC em 2016, os assassinatos aumentaram, mas em meio à pandemia os defensores de garantias básicas "ficaram ainda mais desprotegidos e expostos à violência", disse a organização em seu relatório anual.

Os agressores aproveitaram o confinamento rigoroso em vigor no país entre março e setembro para encontrar suas vítimas "em locais próximos à sua residência ou dentro dela", o que evidencia "a ineficácia das políticas" do governo para protegê-las, diz a ONG.

No total, 199 defensores dos direitos humanos e líderes sociais foram assassinados em 2020, um aumento de 60,4% em comparação com 2019.

Os departamentos com maior número de casos foram Cauca (52), Antioquia (23) e Nariño (22), todos com alta presença militar.

Segundo a ONG Somos Defensores, a maioria dos homicídios se encontra na impunidade. Desde 2016, a Promotoria conseguiu condenações em 16% dos 417 casos que investiga, destaca.

A Colômbia é um dos países mais perigosos do mundo para se exercer o ativismo, de acordo com ONGs como Global Witness.

Em novembro de 2020, a então ministra do Interior, Alicia Arango, reconheceu no Congresso a "fraca presença e capacidade do Estado em resolver esses assassinatos infelizes".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade