Publicidade

Estado de Minas PARIS

Filme mudo 'Napoleão' passa por restauração titânica


16/05/2021 12:11

Uma restauração titânica, para um filme épico. Nos últimos doze anos, nas profundezas de um forte do século XIX, o renascimento de uma obra-prima do cinema mudo toma forma: "Napoleão" de Abel Gance.

"É uma loucura", resume Georges Mourier, responsável pelo projeto desta reconstituição orçada em 2,5 milhões de euros, na pequena sala abobadada que compartilha desde 2008 com sua editora, Laure Marchaut.

Sob a liderança da Cinémathèque française, dão os últimos retoques na restauração deste importante e inclassificável patrimônio cinematográfico, venerado por vários cinéfilos e cineastas, entre os quais Francis Ford Coppola. Uma tarefa homérica que eles esperam concluir até o final do ano.

Relatando a juventude de Napoleão até o início da campanha italiana, o filme, exibido pela primeira vez em 1927, em uma versão de sete horas, é carregado por um sopro épico, recheado de inovações visuais e narrativas (incluindo um famoso tríptico final, em três telas simultaneamente).

"Abel Gance é muito ousado para a sua época. Mistura o sublime e o trash, a luta na lama e a luta com sabre", sintetiza Georges Mourier, sobre esta "última superprodução" da era do cinema mudo: "cada sequência é uma revolução cinematográfica".

Mas, varridos pelo boom do cinema falado, esquecidos por anos, os rolos dessa obra única e abundante se espalharam pelo mundo, alguns perdidos ou destruídos.

"Gance não tinha noção de herança. Ele usava filmes anteriores" para criar novamente. No total, há entre 19 e 22 versões de seu 'Napoleão'. Resultado: os arquivos de Abel Gance formam um acervo disperso e "incrivelmente opaco", segundo o pesquisador.

- "Renda" -

"Napoleão" foi restaurado várias vezes.

Originalmente, Mourier e Marchaut pensaram em se limitar a uma missão de três meses para estabelecer alguma ordem nos arquivos da Cinémathèque. Finalmente, dedicaram uma década à tarefa, indo de surpresa em surpresa.

Rapidamente, Georges Mourier intuiu que as restaurações anteriores não conseguiram restaurar a obra de Abel Gance em sua forma original, a "versão grande" de sete horas apresentada em 1927, com alguns planos totalmente diferentes.

"É um filme Frankenstein", cujas bobinas "se espalharam por todo o mundo", sendo por vezes encontradas por milagre, sobretudo nas profundezas da Córsega, e "recompostas" pelos vários restauradores, sublinha Mourier.

Por exemplo, para entender como Gance havia construído uma cena, onde Napoleão ouve a Marselhesa, o restaurador teve que traçar um plano com uma cópia encontrada em Roma, a seguinte em Copenhague...

"Mais do que costurar, fazíamos renda: tínhamos que desfazer os nós das antecessoras, sem romper a linha, e voltar a tecer na direção certa".

Às vezes trabalhando imagem por imagem, analisaram um total de 100.000 metros de filme, alguns muito danificados ou extremamente inflamáveis.

Laure Marchaut nunca tira as luvas para manusear o filme e ainda se lembra do "cheiro forte de vinagre" que emanava de uma caixa dentro da qual o filme havia mofado.

Para preservar "a alma e a matéria do filme" e evitar o "efeito lifting" dos tratamentos digitais, a restauração das imagens exigiu processos químicos antes dos scans de alta definição.

"Uma coisa é certa: o espectador nunca saberá de onde começamos", garante Mourier. Antes disso, será necessário encontrar um local de projeção à altura.

O filme "é feito para a comunhão do público", nota o pesquisador, que imagina uma projeção "para milhares de pessoas, com uma orquestra no palco".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade