Publicidade

Estado de Minas NAÇÕES UNIDAS

EUA evita declaração conjunta do Conselho de Segurança da ONU sobre Jerusalém


10/05/2021 21:04 - atualizado 10/05/2021 21:14

O Conselho de Segurança da ONU sobre Jerusalém se reuniu em caráter de urgência nesta segunda-feira (10) para avaliar a violência dos últimos dias em Jerusalém, mas sem chegar a um acordo sobre uma declaração conjunta, já que os Estados Unidos consideram que, "por enquanto, não é oportuno emitir uma mensagem pública", afirmaram diplomatas.

Após várias consultas realizadas à tarde sobre a possibilidade de se publicar um texto comum pedindo uma desescalada, vários diplomatas afirmaram à AFP que nenhum comunicado deve ser divulgado nesta segunda.

Pela manhã, os Estados Unidos tinham informado aos outros 14 membros do Conselho, em uma reunião por videoconferência realizada a portas fechadas, "trabalhar nos bastidores" para acalmar a situação e disseram "não estar certos de que a esta altura um comunicado possa ajudar".

"Os Estados Unidos estão comprometidos de forma construtiva a garantir que toda ação do Conselho de Segurança contribua para atenuar as tensões", limitou-se a afirmar durante a tarde um porta-voz da missão americana na ONU.

Na reunião celebrada a pedido de Tunísia, Noruega, China e a própria Tunísia haviam apresentado um projeto de declaração reivindicando "que Israel interrompa as atividades de colonização, demolição e expulsão" de palestinos "incluindo em Jerusalém Oriental", segundo o documento ao qual a AFP teve acesso.

A proposta de declaração expressava a "profunda preocupação" do Conselho com os incidentes e solicitava às partes que evitassem "medidas unilaterais que exacerbem as tensões e minem a viabilidade da solução de dois Estados".

Também solicitava "mostrar moderação, se abster de toda provocação e manter e respeitar o status quo histórico nos locais santos".

Um dos fatores de tensão em Jerusalém Oriental é o destino das famílias palestinas que estão ameaçadas de ser despejadas do bairro de Sheikh Jarrah para beneficiar o assentamento de colonos judeus.

Nesta segunda, a tensão se intensificou com os disparos de foguetes de Gaza em direção a Israel e os ataques mortais do exército israelense contra o Hamas, em uma das escaladas de violência mais importantes dos últimos anos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade