Publicidade

Estado de Minas LOS ANGELES

Reformas do Globo de Ouro aprovadas após críticas por falta de diversidade


06/05/2021 21:34 - atualizado 06/05/2021 21:37

A organização por trás do Globo de Ouro do cinema e da televisão, afetada por um escândalo, votou a favor de reformas radicais nesta quinta-feira (6), depois de ser criticada por Hollywood por falta de diversidade.

A Hollywood Foreign Press Association (HFPA), um grupo de cerca de 90 jornalistas internacionais que premia o Globo de Ouro desde 1944 e exerce grande influência, está se recuperando desde que uma reportagem de fevereiro revelou que não possui membros negros.

Um grupo de mais de 100 publicitários de Hollywood escreveu uma carta à HFPA em março exigindo o fim do "comportamento discriminatório, a falta de profissionalismo, a falta de correção ética e a suposta corrupção financeira", juntando-se às críticas do movimento Time's Up.

Nesta quinta-feira, a HFPA aprovou de forma esmagadora um pacote de reforma que pede o aumento do número de membros em 50% para incluir mais jornalistas negros e o levantamento dos limites notavelmente rígidos e opacos sobre quem é finalmente admitido.

"A votação esmagadora de hoje para reformar a Associação reafirma nosso compromisso com a mudança", disse o presidente da HFPA, Ali Sar, em um comunicado.

"Porque entendemos a urgência e o tema da transparência, atualizaremos continuamente os membros à medida que avançarmos para fazer com que nossa organização seja mais inclusiva e diversa", destacou.

E prometeu que a organização se tornará "um exemplo de diversidade, transparência e responsabilidade na indústria".

Um dos membros, que pediu para não ser identificado, disse à AFP que "um número muito pequeno disse não ou se absteve; a maioria disse que sim".

"Estou muito aliviado, temos que mudar, temos que melhorar para sobreviver", disse a fonte à AFP.

O Globo de Ouro é a segunda premiação mais importante de Hollywood, atrás apenas do Oscar, mas seu futuro foi questionado por ameaças de boicote devido a algumas controvérsias.

O ex-presidente da associação Philip Berk foi demitido no mês passado por enviar um e-mail chamando a Black Lives Matter de um "movimento de ódio", e dois consultores contratados para lidar com as questões de diversidade renunciaram devido à falta de progressos.

Embora a maioria dos membros do HFPA trabalhe regularmente para veículos de comunicação bem conhecidos, a exclusão de inúmeros jornalistas de boa fé está sob apuração.

E, de forma mais geral, o histórico da organização de ignorar filmes e programas de televisão dirigidos por negros e minorias no Globo é frequentemente criticado.

Mas os estúdios estão ansiosos para garantir que os jurados da HFPA vejam seus filmes e programas de TV, às vezes em condições bastante luxuosas, de acordo com algumas partes interessadas que falaram sob a condição de anonimato.

Em março, houve notícias positivas para a HFPA quando um juiz da Califórnia rejeitou uma ação antitruste de um jornalista de entretenimento norueguês acusando-a de sabotar não-membros enquanto se empanturrava de regalias luxuosas e acesso sem precedentes às estrelas de Hollywood.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade