Publicidade

Estado de Minas SÃO PAULO

Morre de covid o humorista Paulo Gustavo


04/05/2021 23:18

Paulo Gustavo, um dos comediantes mais queridos do Brasil, morreu na noite desta terça-feira (4) aos 42 anos devido a complicações de covid-19, relatou sua equipe médica.

"Às 21h12 desta terça-feira, lamentavelmente o paciente Paulo Gustavo Monteiro faleceu, vítima da covid-19 e suas complicações", anunciou o boletim.

O ator estava internado desde 13 de março no hospital Copa Star, no Rio de Janeiro.

"A equipe profissional que participou de seu tratamento está profundamente consternada e solidária ao sofrimento de todos", concluiu o comunicado do hospital.

Nascido em Niterói, no Rio de Janeiro, em 30 de outubro de 1978, Paulo Gustavo deixa o marido, o dermatologista Thales Bretas, e dois filhos.

O ator interpretou diferentes personagens na televisão, no cinema e no teatro, mas foi Dona Hermínia, uma mãe tagarela e divorciada que estrelou a peça "Minha mãe é uma peça", que lhe rendeu recordes de bilheteria.

Com mais de 15 milhões de seguidores no Instagram, o carismático comediante recebeu milhares de mensagens de apoio de fãs e personalidades do entretenimento, cultura e política.

Paulo Gustavo foi submetido a vários tratamentos durante a internação, incluindo a um mecanismo de respiração artificial. Ele teve que ser entubado há quase duas semanas e, embora neste fim de semana tenha dado sinais de melhora, os médicos relataram na segunda-feira que seu estado havia piorado. Nesta terça-feira, a equipe informou que seu quadro era irreversível.

O músico Caetano Veloso foi um dos primeiros a compartilhar sua dor esta noite. "Paulo Gustavo é a expressão da alegria brasileira", escreveu no Twitter junto com uma foto com o ator.

"Recebi com muita tristeza a notícia da morte de Paulo Gustavo. A covid levou hoje mais um de nós. Um grande brasileiro, que brindou nosso país com tanta alegria. Descanse em paz. Seu talento jamais será esquecido", tuitou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Dezenas de mensagens de pesar pela morte do ator criticaram o governo brasileiro por sua forma de lidar com a pandemia.

Mais de 411.000 pessoas morreram de covid-19 no Brasil, onde o presidente Jair Bolsonaro minimizou a gravidade da doença, promoveu aglomerações e questionou o uso de máscaras e a eficácia das vacinas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade