Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Estado da Virgínia Ocidental processa fabricantes de opiáceos nos EUA


03/05/2021 14:53

Fabricantes e distribuidores de medicamentos dos Estados Unidos enfrentam demandas judiciais de milhões de dólares por incentivo ao vício em opiáceos em um julgamento inciado nesta segunda-feira (3) na Virgínia Ocidental, um dos estados mais devastados por esta epidemia.

Grandes empresas, incluindo Purdue Pharma - a pioneira na falência da OxyContin -, a cadeia de distribuição AmerisourceBergen e a rede de farmácias CVS, são acusadas pela cidade de Huntington e seus condados vizinhos de despejar analgésicos altamente viciantes no estado e alimentar o vício generalizado e overdoses que ainda persistem.

Mais de 400.000 pessoas morreram de overdose nos Estados Unidos desde o início de 2000, quando fabricantes de medicamentos prescritos, como oxicodona e hidrocodona, começaram a ser vendidos em farmácias com pouco controle. O estado da Virgínia Ocidental tem a maior taxa de dependência do país, e as mortes por overdose são quase três vezes a taxa nacional.

"Entre 2006 e 2014, os fabricantes e distribuidores de opioides prescritos inundaram o estado da Virgínia Ocidental com 1,1 bilhão de pílulas de oxicodona e hidrocodona", afirma o processo.

Com mais de 3.000 ações semelhantes ajuizadas no país, a Huntington's tornou-se o foco dos esforços para fazer as empresas pagarem pelos custos sociais e médicos da epidemia de dependência.

Uma ação movida em Cleveland, Ohio, não conseguiu encaminhar a um acordo judicial nacional e o foco mudou para Huntington.

No caso de Cleveland, os principais réus - McKesson Corp., AmerisourceBergen, Cardinal Health e Teva Pharmaceuticals - chegaram a um acordo com os demandantes para conceder 260 milhões de dólares a dois condados.

Esse acordo evitou que um juiz federal aceitasse o caso, que poderia ter sido um modelo para ações judiciais de outras cidades, condados e grupos indígenas americanos.

Os valores reclamados eram da ordem de dezenas de milhões de dólares. Fabricantes e redes de farmácias acusam os médicos de prescrever excessivamente esses remédios, o que, por sua vez, criou um mercado negro que funcionou por 15 anos, até o início de 2015.

O governo federal processou, prendeu ou multou centenas de médicos, farmácias e fabricantes por seus escassos controles sobre a venda de opiáceos. Desde o aperto no controle dos opiáceos legais, muitos de seus dependentes recorreram à heroína e ao fentanil ilegais, o que prolongou a epidemia e piorou o quadro com os confinamentos ordenados pela covid-19.

A agência de controle de doenças dos Estados Unidos estimou que cerca de 90.000 pessoas morreram de overdose no ano passado, das quais quase três quartos foram atribuídas aos opiáceos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade