Publicidade

Estado de Minas BRASÍLIA

Líder indígena é intimada pela polícia por 'difamar' governo Bolsonaro


30/04/2021 21:01

Uma das principais lideranças indígenas do Brasil, Sonia Guajajara, foi intimada a testemunhar pela Polícia Federal por suposta "difamação" contra o governo do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, informou a líder nesta sexta-feira (30).

"Fui intimada pela PF, como representante da @apiboficial , para depor em um inquérito por conta da websérie Maracá. A perseguição desse governo é inaceitável e absurda! Eles não nos calarão!", tuitou Guajajara, coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB).

A APIB explicou em nota que a investigação foi "solicitada" pela Funai, órgão subordinado ao Ministério da Justiça responsável pelos assuntos indígenas, pela publicação em 2020 da série "Agora é a Vez do Maracá".

Na denúncia, divulgada pelo portal de notícias G1, o presidente da Funai, Marcelo Augusto Xavier da Silva, afirmou que essa série "divulga informações distorcidas e tendenciosas (...) que acusam o governo de ter abandonado os índios" durante a pandemia do coronavírus.

De acordo com esse relatório, a APIB lançou uma "campanha de calúnia e difamação", com uma "possível cometimento de calúnia e difusão de fake news e estelionato" relacionadas com as mortes de populações indígenas por covid-19.

Em nota enviada à AFP, a Funai indicou que "não comenta fatos que estão sob apuração em âmbito policial", mas destacou que a "investigação de atos supostamente ilícitos reafirma seu compromisso" com o interesse público, considerando que "todos os cidadãos, indígenas e não indígenas estão submetidos à observância da lei brasileira."

A APIB chamou a denúncia de uma tentativa de "criminalizar o movimento indígena".

A entidade acusa o governo de permitir um "genocídio indígena" durante a pandemia, que já deixou 1.059 índios mortos e 53 mil infectados, segundo contagem da entidade, que inclui indígenas de aldeias e cidades.

Dezenas de organizações ambientalistas, políticos e personalidades como o popular youtuber Felipe Neto, ele próprio denunciado pelo governo, expressaram sua solidariedade a Guajajara nas redes sociais.

"O Observatório do Clima repudia a tentativa de intimidação promovida pelo governo Bolsonaro contra a APIB e uma de suas lideranças, Sonia Guajajara", disse a entidade em nota.

Juristas e especialistas em Direitos Humanos alertam para uma escalada de manobras legais e extrajudiciais para silenciar vozes que consideram dissidentes no Brasil.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade