Publicidade

Estado de Minas NOVA DÉLHI

Índia atinge novo recorde de infecções e mortes; tragédia hospitalar no Iraque


25/04/2021 14:41 - atualizado 25/04/2021 14:43

A pandemia de coronavírus continua a provocar tragédias e revelar a deterioração dos sistemas de saúde em muitas partes do mundo: a Índia atingiu neste domingo (25) níveis recordes de infecções e mortes, enquanto no Iraque 82 pessoas morreram no incêndio de um hospital para pacientes com covid-19.

A Índia registrou hoje um novo recorde mundial de 350.000 novos casos em 24 horas e superou seu recorde nacional de mortes diárias, com 2.767 óbitos. O gigante asiático, com mais de 1,3 bilhão de habitantes, não consegue conter a epidemia.

"A devastação do coronavírus continua e não há trégua", admitiu neste domingo o chefe do governo da capital Nova Delhi, Arvind Kejriwaly, que decidiu estender o confinamento na região por mais uma semana.

No Iraque, um incêndio na madrugada deste domingo em um hospital de Bagdá dedicado à covid-19 deixou 82 mortos e 110 feridos, após a explosão de cilindros de oxigênio armazenados sem respeito às normas de segurança.

Muitas vítimas estavam sob ventilação mecânica quando os cilindros de oxigênio explodiram, causando um incêndio que se espalhou rapidamente pelo estabelecimento, de acordo com médicos e bombeiros.

"A maioria das vítimas morreu porque foram deslocadas e privadas dos ventiladores, enquanto outras foram sufocadas pela fumaça", segundo a Defesa Civil.

- Hospitais lotados -

No mundo, foram registradas 823.179 novas infecções em 24 horas, segundo contagem realizada neste domingo pela AFP. A pandemia já causou mais de 3,1 milhões de mortes e mais de 146 milhões de infecções em todo o planeta desde o aparecimento da doença, na China, em dezembro de 2019.

Mas hoje é na Índia que se produzem as imagens mais dramáticas, com hospitais saturados de pacientes - em leitos ocupados por duas ou três pessoas - e falta de oxigênio para salvar vidas.

Nesse país, 16,9 milhões de pessoas contraíram a doença desde o início da pandemia e 192 mil morreram, o que coloca a Índia em quarto lugar em número de mortes.

Para ajudar enfrentar a "tempestade", nas palavras do primeiro-ministro indiano Narendra Modi, a União Europeia (UE), a Alemanha, o Reino Unido, a França e os Estados Unidos anunciaram o envio de ajuda.

"Equipamentos médicos vitais, incluindo centenas de concentradores de oxigênio e ventiladores, agora estão viajando do Reino Unido para a Índia", disse o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

Já os Estados Unidos enviarão componentes para a produção de vacinas e equipamentos médicos, anunciou o assessor de segurança nacional de Joe Biden.

Vários países fecharam suas portas para viajantes da Índia, como Itália e Alemanha, exceto para seus próprios cidadãos.

O Kuwait anunciou no sábado a suspensão de seus voos comerciais com o país asiático.

Ao mesmo tempo, a União Europeia (UE) anunciou neste domingo que se preparava para fornecer "assistência", logo após a chanceler alemã, Angela Merkel, fazer uma declaração semelhante.

Por sua vez, os Estados Unidos desaconselharam as viagens ao país, e o Canadá suspendeu por 30 dias os voos da Índia e do Paquistão.

Na Europa, a detecção da variante indiana na Bélgica, Suíça e, neste domingo, na Grécia, preocupa.

- Restrições para o Brasil, Argentina e Chile -

Para impedir a chegada das variantes, a França implementou no sábado um protocolo específico para suas fronteiras.

Viajantes de cinco países de alto risco - Brasil, Argentina, Chile, Índia e África do Sul - serão submetidos a um teste de antígeno na chegada à França, além de um teste de PCR realizado antes do voo.

Esses passageiros deverão então ser isolados por dez dias.

O Brasil, segundo país mais atingido pela pandemia, bateu um novo recorde mensal de mortes, registrando no sábado 67.977 óbitos pela covid-19 desde o inícios de abril, superando os 66.573 falecimentos registrados em todo o mês de março, segundo o Ministério da Saúde.

Por sua vez, o Equador bateu seu recorde de infecções em um mês, com 43.999 novos casos, superando a cifra de março, um dia depois de impor toques de recolher de 57 horas nos próximos quatro fins de semana para aliviar as infecções.

Três meses antes dos Jogos Olímpicos, a situação no Japão também é preocupante: o estado de emergência entrou em vigor em Tóquio e em três outros departamentos (Kyoto, Osaka e Hyogo) neste domingo até 11 de maio.

A lentidão da campanha de vacinação no Japão também alimenta dúvidas sobre a capacidade do país de organizar o tão aguardado evento olímpico.

No entanto, globalmente, a vacinação se acelera em vários países.

O mundo superou no sábado um bilhão de doses administradas em 207 países ou territórios, de acordo com uma contagem da AFP a partir de fontes oficiais.

Mais da metade (58%) foi injetada em três países: Estados Unidos (225,6 milhões), China (216,1 milhões) e Índia (138,4 milhões). Na União Europeia, 128 milhões de doses foram administradas a 21% da população.

JOHNSON & JOHNSON

ASTRAZENECA


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade