Publicidade

Estado de Minas BERLIM

Conservadores alemães oficializam candidatura de Laschet para suceder Merkel


20/04/2021 13:27

Depois de uma disputa feroz, a direita alemã escolheu nesta terça-feira (20) o centrista Armin Laschet como candidato para suceder Angela Merkel nas eleições de setembro, mas as divisões internas podem atrapalhar os planos.

Em coletiva de imprensa, Laschet declarou: "Nós não facilitamos as coisas porque definitivamente a eleição de setembro será uma decisão histórica para o futuro do nosso país".

O primeiro-ministro do estado mais populoso da Alemanha, Renania do Norte-Westfalia, pediu união entre a família conservadora.

Agora o importante para a aliança CDU-CSU é "entrar na disputa eleitoral como uma só equipe", afirmou. "A CDU (União Democrata Cristã) não ganhará as eleições sem a CSU e vice-versa", acrescentou.

Por sua vez, o derrotado Markus Söder declarou: "a sorte está lançada, Armin Laschet será o candidato da União Conservadora" composta pela CDU da chanceler e a CSU da Baviera. Ele prometeu apoiá-lo "sem ressentimentos e com todas as suas forças" nas legislativas de 26 de setembro.

Em um gesto conciliador, Laschet prometeu que Söder desempenhará "um papel central no futuro da Alemanha".

Apesar da queda nas pesquisas, a direita continua sendo a principal força política alemã, e Laschet, de 60 anos, está em boa posição para substituir Merkel, que abandonará o executivo após 16 anos.

Ela enviou suas "calorosas felicitações", assim como outros líderes políticos.

No dia anterior, Laschet obteve o apoio de uma grande maioria do comitê executivo da CDU após uma reunião noturna de mais de seis horas.

- "Olhar para o futuro" -

"Temos um tempo para as discussões e outro para as decisões. (...) Agora, o importante é olharmos juntos para o futuro (...), não queremos divisões", disse Soder.

O pré-candidato derrotado foi apoiado por vários líderes conservadores nos últimos dias. Além disso, apresentava uma popularidade muito maior nas pesquisas entre o eleitorado conservador.

Söder, de 54 anos, ganhou popularidade no país construindo uma imagem de gestor eficaz da crise durante a pandemia.

E na CSU, persistem as críticas após a eleição na CDU.

"A cinco meses das eleições, tomar uma decisão contra suas próprias bases é algo assombroso", declarou nesta terça-feira o ministro das Finanças do governo bávaro, Albert Füracker, ao comentar o resultado.

A estreita vitória de Laschet corre o risco de deixar profundas divisões nas eleições.

"Mesmo que a tempestade passe, o preço deste embate é enorme, para Laschet pessoalmente e para a União Conservadora como um todo", afirmo o jornal Der Spiegel nesta terça.

"Tudo isso a cinco meses das eleições. É um desastre", considera o Der Spiegel online.

Os conservadores também foram prejudicados por vários escândalos de suposta corrupção.

Laschet terá que lutar para reunir a direita contra a ameaça do Partido Verde, muito disciplinado, com uma intenção de voto entre 20% e 23% (27%-28% para os conservadores) nas pesquisas.

Na segunda-feira, os ambientalistas, em um clima de absoluta tranquilidade, escolheram a advogada Annalena Baerbock como candidata à chancelaria.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade