Publicidade

Estado de Minas MOSCOU

Rússia revida sanções dos EUA, mas permanece aberta a uma cúpula


16/04/2021 19:25 - atualizado 16/04/2021 19:26

A Rússia revidou nesta sexta-feira (16) com uma bateria de sanções e proibições contra altos funcionários do governo dos Estados Unidos, após as medidas punitivas impostas por Washington, mas se declarou aberta à ideia de uma cúpula entre Vladimir Putin e Joe Biden.

Essa troca de medidas punitivas ocorre em um momento em que as relações entre as duas potências rivais seguem se deteriorando, diante das acusações de Washington de interferência russa nas eleições presidenciais norte-americanas e de uma situação cada vez mais tensa no leste da Ucrânia.

Washington anunciou na quinta-feira uma nova série de sanções contra a Rússia, que incluirá a expulsão de 10 diplomatas russos e a proibição de que bancos dos EUA comprem títulos da dívida pública russa a partir de 14 de junho.

A resposta de Moscou foi rápida e o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, anunciou nesta sexta a expulsão de 10 diplomatas norte-americanos.

Também serão proibidos de entrar na Rússia o chefe da agência penitenciária federal dos Estados Unidos e dois ex-altos funcionários do governo Donald Trump, o ex-conselheiro de segurança nacional e o ex-diretor da CIA.

Além disso, Lavrov disse que "recomenda" ao embaixador dos EUA em Moscou, John Sullivan, que retorne a Washington para realizar "consultas sérias e aprofundadas".

"Não recebemos nenhuma correspondência diplomática oficial com os detalhes das decisões do governo russo contra os diplomatas dos Estados Unidos na Rússia", afirmou Sullivan em um comunicado divulgado nesta sexta.

O embaixador russo em Washington, Anatoli Antonov, já havia sido chamado para consultas em meados de março, depois que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, classificou Putin como "assassino".

Moscou também anunciou nesta sexta a expulsão de cinco diplomatas poloneses e indicou que reservava "algumas medidas dolorosas" para as empresas norte-americanas.

- Desescalada -

Ainda que julgasse as sanções dos EUA "inaceitáveis", o Kremlin considerou "positivo" o apelo de Biden por uma "desescalada".

"O presidente Putin falou [em primeiro lugar] da necessidade de normalizar as relações e de uma desescalada [...], então é positivo que os pontos de vista dos dois chefes de Estado coincidam", declarou o porta-voz da Presidência russa, Dimitri Peskov, que também destacou que os dois países discordam em vários aspectos.

Desde sua chegada ao poder, Biden prometeu ser muito mais firme com Moscou do que seu antecessor Donald Trump, acusado de complacência com Putin.

Por outro lado, o inquilino da Casa Branca também propôs ao seu homólogo russo uma cúpula "em um terceiro país" e "nos próximos meses".

"Chegou a hora da desescalada", disse Biden na quinta-feira.

A ideia de uma reunião foi bem recebida em Moscou, embora Peskov tenha reivindicado que Putin foi o primeiro a propor um diálogo profundo, referindo-se a um convite em março para um diálogo online público e ao vivo depois que Biden chamou o presidente russo de "assassino". A oferta foi ignorada pela Casa Branca.

A Finlândia se ofereceu para sediar uma eventual cúpula entre Biden e Putin, segundo anunciou nesta sexta-feira a Presidência finlandesa. O país nórdico já organizou uma cúpula entre Trump e Putin em 2018.

- Sanções e delírios -

As relações entre Rússia e Estados Unidos se degradaram consideravelmente desde 2014, quando a Moscou anexou a península ucraniana da Crimeia.

As sanções de Washington anunciadas nesta sexta são uma represália ao gigantesco ciberataque de 2020, formalmente atribuído à Rússia, que usou como vetor a SolarWinds, um editor americano de programas informáticos que afetou várias agências federais americanas.

Acusado diretamente por Washington, o serviço de inteligência externa russo afirmou que essas acusações são "delírios".

Essas desavenças entre Rússia e Estados Unidos também ocorrem em meio às crescentes tensões russo-ucranianas.

A Ucrânia acusa a Rússia de buscar um motivo para invadir o país, e Rússia acusa a Ucrânia de preparar uma ofensiva contra os separatistas pró-russos do Donbass (leste ucraniano).

Os líderes da Ucrânia, Alemanha e França pediram nesta sexta a Moscou para retirar suas tropas da fronteira com a Ucrânia.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, propôs a realização de uma cúpula com Rússia, França e Alemanha, ao final de uma reunião com seu o presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade