Publicidade

Estado de Minas MIAMI

Ex-prefeito mexicano indiciado em Miami por tráfico de metanfetaminas


01/04/2021 19:14

A justiça dos Estados Unidos indiciou o ex-prefeito mexicano Adalberto Comparán, suposto líder dos Cartéis Unidos, e cinco outros indivíduos por traficar o maior carregamento de metanfetamina que foi apreendido na história de Miami, informou a promotoria nesta quinta-feira (1º).

Os réus enfrentam acusações de tráfico de drogas e outros crimes em duas acusações separadas, devido ao seu papel na importação de mais de 500 kg de metanfetamina mexicana para os Estados Unidos.

Uma das denúncias acusa Comparán Rodríguez, 57 anos, conhecido como "Fruto" e que era prefeito de Aguililla em Michoacán, assim como seu suposto co-conspirador Alfonso Rustrián, 34, de tráfico de drogas.

Ambos foram detidos na Guatemala na terça-feira a pedido dos Estados Unidos "para fins de extradição", segundo a promotoria daquele país.

Uma segunda denúncia criminal acusa quatro outros indivíduos por sua participação no esquema de importação de metanfetamina para Miami, incluindo o filho de Comparán Rodríguez, de 31 anos.

Os quatro também foram presos na terça-feira em Miami e comparecerão a um tribunal federal em Miami na próxima quarta-feira.

"Essas principais prisões e apreensões de metanfetamina devem servir como um aviso de que os Estados Unidos, em conjunto com nossos parceiros internacionais, não vão parar até que os traficantes de drogas de alto escalão sejam levados à justiça", afirmou o procurador federal interino do Distrito Sul da Flórida, Juan Antonio González, em comunicado.

Segundo documentos do tribunal, em janeiro deste ano Comparán Rodríguez e Rustrián se encontraram em Cali, na Colômbia, com uma pessoa que se passava por traficante associado ao movimento xiita Hezbollah.

Rustrián disse a este suposto comprador que Comparán Rodríguez era o líder dos Cartéis Unidos e que ele tinha capacidade para fornecer centenas de quilos de metanfetamina.

Os três concordaram em enviar 500 quilos da droga do México para Miami via Texas, segundo a promotoria.

Em março, dois caminhões com a droga chegaram a Miami. Um continha 200 kg de metanfetamina em tijolos de concreto, o outro carregava 300 kg dissolvidos em galões de tinta.

De acordo com as denúncias, Adalberto Comparán Bedolla - filho do ex-prefeito - e dois químicos trabalharam por dias em um depósito para extrair metanfetamina de cristal puro da tinta.

Além de Comparán Bedolla, os dois químicos (Silviano González, 44, e Salvador Valdez, 34) e Carlos Basauri Coto, 31, também foram presos.

Basauri Coto supostamente lavaria o dinheiro por meio de duas de suas empresas e transportaria US$ 4 milhões em dinheiro em um jato particular. A metanfetamina nunca chegou às ruas de Miami, disseram os promotores.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade