Publicidade

Estado de Minas CIDADE DO VATICANO

Vaticano expressa preocupação com deslocados pela mudança climática


30/03/2021 15:04

O Vaticano expressou sua preocupação "concreta" com os deslocados pela mudança climática e pediu medidas para proteger milhões de pessoas forçadas a fugir porque suas casas deixaram de ser habitáveis.

Em documento divulgado nesta terça-feira (30), intitulado "Orientações Pastorais sobre Pessoas Deslocadas pelo Clima", com prefácio do papa Francisco, o fenômeno é analisado e são dadas indicações às Conferências Episcopais, Congregações e Organizações Católicas para ajudar os deslocados pelas mudanças climáticas.

"A deterioração do clima é muitas vezes resultado de decisões erradas e atividades destrutivas, de egoísmo e negligência, que colocam a humanidade em conflito com a criação, nossa Casa Comum", adverte o papa Francisco no prefácio.

Esta não é a primeira vez que o líder da Igreja Católica denuncia os perigos das mudanças climáticas.

O papa Francisco, que vinculou a pobreza à destruição do meio ambiente em sua encíclica "Laudato Si", fez da defesa do meio ambiente uma das prioridades de seu pontificado e se manifestou em várias ocasiões contra o aquecimento global, considerado uma ameaça ao planeta e seus habitantes.

O documento quer, antes de tudo, ser um "roteiro" para enfrentar o fenômeno, que atinge milhões de pessoas em todos os continentes.

"Estamos no meio da crise climática, ela está se acelerando rapidamente" e "causa imenso sofrimento a milhões de nossos irmãos e irmãs em todo o mundo", denuncia a Igreja.

"São as comunidades mais pobres e vulneráveis do mundo as mais desproporcionalmente afetadas pelas crises ecológica e climática", ressalta.

- Os pobres, as principais vítimas -

Milhões de pessoas tiveram que deixar suas casas, campos e costas devido às duras condições climáticas, lembra o Vaticano.

Segundo dados do Núcleo de Monitoramento do Deslocamento Interno, citados pelo documento, os desastres naturais causaram o deslocamento em 2019 de 24,9 milhões de pessoas de 140 países e territórios.

Um número preocupante, que triplica o número de deslocados pela violência.

O papa e o Vaticano, portanto, convidam "a tomar consciência da indiferença da sociedade e dos governos diante desta tragédia". Isso requer promover o diálogo com governos e líderes políticos e acolher os deslocados.

O arcebispo de Beira, em Moçambique, Claudio Dalla Zuanna, que participou de seu país falou com a imprensa, descreveu a destruição provocada por uma série de ciclones nos últimos dois anos.

O ciclone Idai, em 2019, destruiu 90% dos edifícios de Beira e causou inundações devastadoras que obrigaram centenas de milhares de pessoas a fugir.

Outro sacerdote, Joshtrom Isaac Kureethadam, que trabalha no Dicastério do Vaticano para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral, que produziu o relatório, chamou a mudança climática de "um problema moral".

"Comunidades pobres e vulneráveis, cujas emissões de carbono são apenas uma pequena fração das produzidas pelo mundo rico, são na verdade as primeiras vítimas da crise, algo desproporcional", lamentou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade